quarta-feira, 31 de março de 2010

Adivinha quem ligou?

Uma nota, maestro!
Sim, ele, o Palhaço Glamour.

Cheguei da repartição esbaforida, carregando sacola, correspondência e guarda-chuva, mas nem consegui entrar em casa. Fui interceptada por uma vizinha bunduda que queria mostrar a obra que fez na casa dela. "Me inspirei na sua casa". Oi?

Pois é, nessa descobri que quando Mamãe Maluca fica aqui em casa chama a vizinha pra bater papo. Que beleza! Tudo bem, depois de ouvir e palpitar na decoração do studiô dela (aliás, proposta ousada: paredes verde e roxo), consegui entrar em casa. Pretendia tomar um banho rápido, comer alguma coisa e descer pra comprar X-14, para Dona Bethânia, e cerveja, pra levar pra casa da Desgovernada, que eu ia lá ajudar a arrumar a mudança. Tô correndo pra lá e pra cá, até onde é possível correr pra lá e pra cá nas exíguas instalações do sutiô, quando toca o celular.

- Oi, gata.
- Fulano?
- Sou eu. Vamos tomar aquela cerveja hoje?
- Hoje não dá, marquei de ir na casa de uma amiga em Santa Teresa.
- Ah, que pena. De repente amanhã?
- Deixa pra semana que vem, me liga semana que vem
- Bom, pelo menos você já tem meu celular novo.
- Pois é, vou salvar aqui. Então tchau, a gente se fala semana que vem.

Ai, caralho. Ele não tem unha do pé pra cortar, roupa pra lavar, amigo pra contar lorota não?

Puta que pariu

Tô com a pior dor de cabeça dos últimos tempos. Caralho!
E ainda tenho que ir no supermercado porque amanhã é dia de faxineira e tenho que comprar material de limpeza.
Que merda.

Oferenda devolvida

A chuva de ontem deve ter revolvido o mar e Iemanjá cuspiu uma oferenda de volta pra mim. Cheguei da Cadimia e tô lá arrumando a casa pra tomar banho e deitar, quando toca o telefone fixo. Não reconheci o número e atendi. "Oi, Roberta".

- Quem tá falando?
- Sou eu.
- Fulano?
- Sim, sou eu.
- Nossa, há quanto tempo!

Era o Palhaço Glamour. Não vejo ele desde outubro, eu acho. A última vez que nos falamos foi quando ele ligou pra me desejar feliz Natal (!). Confesso que até gostei dele ter ligado. Na verdade, tinha ido pra praia pensando nele no ônibus. Tinha carinho e amizade por ele, o negócio é que ele era muito chato, por isso entojei. Uma lástima cansar de homem gostoso.

- Que bom que você tá mais calma, não tá mais zangada comigo.
- Eu não estava zangada, só fiquei de saco cheio porque vc era muito chato. Mas já nem lembro direito porque vc me encheu - mentira, lembrar eu lembro, mas na hora me pareceu agradável falar com ele.
- Nem eu sei porque vc tava me tratando daquele jeito...
- Tá, eu lembro. Tomei abuso de você quando vc ligou seis vezes no aniversário da minha mãe...
- Naquele dia eu tava bebado e com saudade de você, mas a gente ainda continuou saindo depois...
- Depois daquele dia fui perdendo o tesão em você. Mas tudo bem, isso já tem tempo.
- Pô, tu é maneira pra caralho, a gente trocava mó ideia.

Eu já tinha esquecido o vocabulário do bruto. Aí ele me atualizou que se mudou, está metido num negócio novo, dando aula em outro lugar e pouco tem saído à noite, por isso nunca mais nos esbarramos nos sambinhas da vida. Finalmente, me chamou pra ir tomar uma cerveja no Beco do Rato. Olha, eu nem tava fazendo nada não, mas fiquei com preguiça. Confesso que tenho receio de dar trela pra ele de novo. Disse que tava cansada, que tinha acabado de chegar da academia. Sugeri deixarmos pra outro dia, de repente na outra semana e talz. Ele concordou "Claro, não quero ser chato, vou chegar devagar até retomar meu lugar. Deixa essa cerveja pra gente tomar com calma semana que vem". Ainda perguntou se eu tava com muitos namorados. Fui simpática: "uns três ou quatro, mas nenhum tão gostoso quanto vc, xuxu". 

Parecia até que ele tinha aprendido a se comportar, né? Pois é. Humpf.

Tomei banho e deitei. O telefone tocou três vezes e, quando eu atendi, a pessoa desligou. Ele não sabe que agora tenho identificador de chamadas, aliás, tomei essa medida justamente por causa dele, que no fim do ano passado me infernizava ligando o tempo todo. Passou um tempo e ele ligou de novo, desta vez não desligou. "É que lembrei que não tenho mais seu celular, me passa o número".

- Era você que tava me ligando?
- Ahn?
- Tinha algum filho da puta ligando pra cá e desligava qndo eu dizia 'alô', era vc?
- Não, não...
- Cara, eu acho que era vc...
- Não, não.... é... eu liguei, mas caiu a ligação.
- Porra, vai começar de novo?

Ele jurou que não vai ficar me ligando 20 vezes. De madrugada meu telefone tocou de outro número desconhecido. Quando eu disse 'alô' desligaram. Quem será que era? O Pato Donald? O Curupira? O Brad Pitt? Hmmm... acho que era o Palhaço Glamour resnascido do inferno...


Eu devo merecer.

Sorumbática

Tô estranha hoje. Acordei bem, antes do despertador, mas fiquei na cama até estar atrasada. Fiz nada, só olhei pro teto. Vim pro trabalho com um vestido que não uso há muito tempo e daí lembrei porque ele tava encostado: fico horrível nele. Vou ver se veste melhor na Desgovernada, ela gosta dos meus vestidos pretos.

Estou com um pouco de dor de cabeça e um certo cansaço, com bastente preguiça e desânimo. Acho que minha barriga está um pouco dolorida do excesso de abdominais, mas só dói quando respiro. Acho que queria passar o dia todo na cama entre dormir, acordar, olhar o teto e chorar um pouco. Como diz A Cigana, tô precisando chorar. Ela briga que sou durona demais e preciso chorar. Ela me mandou ir a um lugar dizendo que eu ia chorar muito. Fui animadíssima em liberar as lágrimas represadas. Chorei nada. Bom, semana passada chorei um pouco por causa da TPM. Foi ótimo, chorei porque A Desgovernada vai se mudar pra Ipanema, chorei porque minha melhor amiga da 4ª série primária mudou de colégio e deixamos de ser amigas, chorei porque meu pai morreu, chorei pela morte dos gatos Shaisha e Paul, chorei por tudo. Fiquei com a cara inchada e o olhos cheios de bolhas, mas não adiantou. Era choro de TPM, não vale.

Estou me sentindo feia, gorda e chata e esse vestido não ajuda em nada.
Queria chorar hoje, vou tentar quando chegar em casa.

Mas então, tô sorumbática. Talvez seja o céu cinza, que vai desabar a qualquer moemnto e me deixar alagada em Manguinhos. Talvez seja a festa dos hormônios no meu período mentrual. Talvez seja eu não ter um gato em casa. Talvez seja porque eu queria me mudar e não consigo (o apartamento que eu tava cobiçando foi alugado pra outra pessoa).

Sei lá, sabe?

Praia e cadimia

Ontem foi um dia diferente e divertido. Fiz coisas que nunca faço. Fui à praia sozinha no meio da semana. Tava nublado e ventando, mas foi ótimo. Além de mim e dos vendedores, só havia gringos. Fiquei lá, distraída na cadeira alugada lendo. Li o livro praticamente todo (terminei as útlimas páginas antes de dormir). Não lia um livro de uma sentada só há muito tempo. Lembrei da minha adolescência quando lia um livro por dia. Claro, na época, eu não trabalhava na repartição e não escrevia blog, daí tinha tempo pra ler.

Saí da praia quando começou a chuviscar. Ia comer alguma coisa e ver vitrines em Ipanema, mas Ju ligou convocando para A Cadimia. Ok, o dever chama. Rumei pra Lapa. Ficamos esperando chover e nos atrasamos, mas nada de chuva. Fomos e voltamos sequinhas.

Agora já acostumei com A Cadimia. Tenho preguiça de ir, mas quando estou lá adoro, fico felizinha fazendo os exercícios. Gosto de musculação por ser solitário. Fico lá naqueles aparelhos bizarros pensando na morte da bezerra. De vez em quando procuro o olhar debochado e cúmplice da Ju no salão. Ao fim, nos encontramos para fazer juntas o alongamento. Eu confesso: não tenho feito esteira como exercício final. Odeio esteira.

Já não fico mais dolorida, mas fico muito cansada. Tanto quando chego em casa, como no dia seguinte. Estou cansaaada. O bom é que durmo como uma pedra. A Ju fantasiou que iríamos hoje de novo, mas vou não. Talvez, amanhã. O negócio é que se eu for amanhã vou estar com cara de morta no Chope dos Leitores e não vou render bem.

terça-feira, 30 de março de 2010

A vida é bela

Acordei há pouco e tá um dia lindo. Estou alegre, com uma leve dor de cabeça e uma sensação de liberdade. Sim, hoje não tem repartição! Vou à praia sozinha, depois ao cinema e à noite na cadimia. Se alguém quiser tomar uma cerveja à noite... sabem onde me achar.

Fui!

Ótima semana

Devia ser assim sempre: de segunda a quinta, vou trabalhar dois dias e meio. Perfeito.

Como diria mamãe...

Parece até sacanagem. Só porque tem greve na repartição amanhã e não vou trabalhar cai essa chuva. Pretendia expender o dia na praia e depois ir lamber vitrines em Ipanema, quem sabe, comprar um vestidito novo pra realçar minha beleza morena. Ai-ai-ai. Serei obrigada a dormir o dia todo, que chato.

Aceito convites para a noite. ;-)

segunda-feira, 29 de março de 2010

Alegria, alegria

Tinha marcado de ir ao samba com uma companhia masculina, mas como ele é borracha fraca, resolveu ficar em casa e dormir (ou arrumou programa melhor, dá no mesmo). Como eu já tava pronta - linda, loura, japonesa e alongada - num vestidinho florido e de sandalhota de lacinho, liguei pra um suplente. Na verdade, liguei pra Vicente-vem-dá-o-cu-pra-gente, que é meu amigo-irmão e nunca me deixa sozinha na pista.

- Vou tomar um banho e parto pra Lapa.
- Lava o cu.
- Vou lavar o piru também.
- Lava, lava. Vou chupar não, mas nunca se sabe.

Vai que ele se agrada de alguma traveca da Gomes Freire, né? Elas são tudo minhas caléga de salão e não quero ouvir reclamação do pau do meu amigo enquanto esmalto e envernizo as unhas. Meia hora depois ele liga "já lavei o suvaco, o piru e a bunda, bora!". Mandei ele me esperar na Cachaça.

- Tenho medo.
- Por quê?!
- Porque é na Cachaça e hoje ainda é segunda.
- Eu vou lá todos os dias!
- Puta que pariu, vambora.

Ele participou do Rodízio de Pão na Chapa e ia trabalhar no dia seguinte. Traumou. É viadinho. Quando saí de casa já tava chovendo. Mandei ele me esperar num lugar com cobertura. Fomos pro Manoel&Joaquim. Nem lembro a última vez que tinha ido lá, provavelmente, foi no tempo que eu trabalhava no Globo Online, ou seja, no Tempo do Onça. Meu garçom ainda era o mesmo. Tenho um garçom de estimação em cada bar.

Comemos, bebemos, iniciamos uma nova tradição milenar (um chamar o outro de babaquinha), falamos mal dos amigos, contamos fofocas, bebemos mais, ensinei a ele como impressionar mulheres maravilhosas (como eu e minhas amigas), falamos sacanagens e resolvemos ir embora porque diluviava e Vic tinha terapia no cu da manhã seguinte. Ele é viadinho assim mermo, acorda cedo pra correr (!) e pra fazer terapia. Mas liga não, é bõ rapaz e palhacinho divertido. Tô treinando o moço. Em breve ele será um machucador de causar orgulho na titia.

Eu até queria tomar banho de chuva, mas Vic ficou com medo de estragar o penteado (ele usa dreads que eventualmente mofam). Como nenhum táxi parava mermo, fomos tomar a saideira na Cachaça. Batida de gengibre, pra rebater a chuva. Claro, viadinho, ele não gostou. Pelo menos pagou a conta e me trouxe em casa. Tô treinando ele, podeixá, mulherio. Até ofereci meu guarda-chuva emprestado, pra ele não molhar as melenas entre o táxi e a portaria, mas o bruto resolveu fazer o macho-alfa e dispensou.

Tô já saindo do elevador pipoca o celular. Era A Loura "Tá rolando chope onde?". Ah, Xuxu, chegou atrasada. Agora vou blogar e dormir.

OBS: Não sei se já comentei, mas Vicente Magno é viadinho, mas é meu amigo. A gente tem essa sociabilidade babaquinha assim mermo.

Como eu sempre digo...

Tem todo tipo de idiota no mundo.

domingo, 28 de março de 2010

Pouca sorte

O mouse do meu computador parou de funcionar.

Sem título

Tô feliz, mas tô triste, sabe como é que é?
Deve ser sono. Vou dormir.

Preguiça de domingo no Grajaú

Até pensei em fazer umas fotos de cara&bunda com a minha irmã, mas fiquei com preguiça. Vimos um filme, comi bomba de chocolate (extravagância!) e vim embora sonolenta por volta de 21h.

Nem fotos dos gatos eu fiz, tradição dominical. Brinquei com um bebê ruivinho que tá pra doar. Ai, que vontade de pegar ele pra mim. Os amarelos são os melhores, todo mundo sabe. Preciso tanto de um gato amarelo na minha vida...

Hoje foi uma delícia de domingo de não fazer nada.

Alegria de domingo

Tomar sol e banho de mangueira no quintal conversando com minha irmã e meu cunhado, depois almoçar e cochilar na cama da minha mãe.

Relatório de pista

Ontem eu tava com fogo no rabo em nível máximo, queria porque queria sair, apesar da dor de cabeça e estômago enjoado. Tinha festa Ardida na Casa Rosa e showzinho no Multifoco, além das opções clássicas de Matriz e Bukowski. Eu queria  mesmo era ir pro Buko, mas fiquei com preguiça. Como o Multifoco é na minha esquina, ganhou. Ainda levei minha gangue.

A Loura passou aqui em casa, fizemos uma paradinha rápida na Cachaça e entramos na festa. Cesar Parque e Nanda já tavam lá. Logo chegou Menino Vela. Xica, que deu a ideia, tinha chegado cedo com Simone e Dani. Depois do show do Rubinho Jacobina teve DJ Dodô. Infelizmente eu tava enjoada e não consegui beber cerveja, mas dançamos até quase 5h da manhã.

Só vim embora porque meus pés doíam muito e já mal me mexia na pista de dança. Foi uma noite feliz.

Solzinho faz feliz

Tá um lindo dia de sol e céu muito azul. Adoro. Queria ir à praia, mas domingo é cheio demais. Deixa pro fim de semana que vem. Agora vou enfrentar um delicioso 434 pra ir almoçar com Mamãe Maluca na residência do Grajaú. Vou logo porque quero voltar cedo. Tenho que mandar uns três quilos de e-mails e dormir não muito tarde... amanhã é dia de ir pra Tijuca no cu da manhã apertar o aparelho.

Aliás, que segunda-feira auspiciosa, hein? Menstruada e com os dentes doendo.

Mas deixa o mau humor pra amanhã, sabe que hoje tô até feliz? E olha que acordei relativamente cedo pra quem foi dormir com o dia clareando. Despertei pouco depois das 10h e não consegui mais dormir. Acabei levantando 12h30.

Lembrete

Quinta-feira tem Chope dos Leitores, todos estão convidados!

sábado, 27 de março de 2010

Será que nunca mais vou dormir?

Encontrei a Ju por volta de 12h30 e partimos pra Mangueira para encontrar O Orientador. Supostamente almoçaríamos no Bazar da ONG Meninas e Mulheres do Morro, mas só tomamos cerveja. Lá pelas 15h partimos pro Arpoador pra tomar um banho de mar e sentir os pés na areia fria. Tá, no caminho paramos no Informalzinho pra comer um umas coxinhas de galinha, bolinho, polenta, essas coisinhas leves. Nem lembro há quanto tempo eu não ia à praia. O mar tava uma delícia, a cerveja gelada e o por do sol lindo. Que vida mais ou menos.

Cheguei em casa pouco depois das 7h, estourando de dor de cabeça e sono. Quem mandou encher os cornos de três marcas de cerveja diferentes sem almoçar? Tomei banho, comi e deitei. Jacaré dormiu? Nem eu. Entediei e levantei pra olhar os e-mails. Nada de novo. Meu telefone já começou a pipocar com convites pra cá e pra lá, mas nada realmente interessante. Queria mesmo era dormir. Saco.

O mundo é estranho, mas a vida é bela

Ontem eu tava péssima, de bode, de TPM, passando mal do estômago no pós-piriri. Chorei até ficar com a cara inchada e os olhos ardendo e fui dormir. Fui acordada uma vez pela Ruiva, fofocamos no telefone. Dormi. Lá pras duas da manhã acordei por um torpedo do Vela perguntando se tava bom onde eu tava. Na minha caminha? Tava ótemo! Até cogitei levantar, tomar uma chuveirada e ir pra pista encontrar meu amigo maluquinho de estimação, mas a minha cara inchada ia assustar. Dormi de novo.

Lembro que levantei pra beber água e o dia tava clareando. Pensei "devia estar voltando pra casa agora". Olha que durante a semana eu tava animadíssima, repetindo mantra "sexta é dia de cerveja mão e calcinha no chão". Humpf. Tudo bem, sexta que vem eu me vingo.

Como não sou acostumada a dormir cedo assim, acordei hoje às 7h30 sem sono. Merda. Fiquei deitada tentando adormecer de novo e nada. Brinquei com o rabbit pra ver se dava soninho e nada. Acabei desistindo e levantando 9h30. Agora vou levar roupa na lavanderia, encontrar Ju e O Orientador para almoçar.

Para a noite ainda não tenho planos, aceito convites.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Lástima

A Gangue das mulheres loucas do Centro teve uma baixa irreparável. A Desgovernada se mudou, resolveu voltar a ser garota de Ipanema e nos abandonou. Fez um feirão dos móveis e nem me chamou. Ela sabia que eu ia tentar impedir. Quando soube, já tava tudo vendido e não tinha volta. Vai voltar a morar com a mãe, leva com ela o John, o gatinho ruivo que resgatei da TV E. Vou morrer de saudade dela, do John, do apartamento. Entendo os motivos, sei que vai ser melhor pra ela, mas fiquei tristíssima. Ipanema é longe pra caralho, sei que ela não vai vir pra cá beber com a gente. A Gangue nunca mais será a mesma.

Desperdício

Já que estou entediada e não vou sair, acho que vou blogar enlouquecidamente. Um desperdício, já que é sexta e todos estão na rua. A audiência dos blogs cai incrivelmente nos fins de semana.

Tá, tá, eu confesso

Tô de TPM, devo menstruar segunda-feira.

Tá, eu confesso

Já tô chorando.

Dia estranho

Passei o dia todo enfurnada em casa, sentindo calor e tédio. Depois da euforia da finalização do livro, deu um bode. Desci pra tirar dinheiro, caso resolvesse sair, mas vou ficar em casa mesmo. Meu estômago tá péssimo, parece que engoli um paralelepípedo.

Tinha marcado de ir no Democráticos com a Janine e num sambinha no Cosme Velho com a Xica, mas vou ficar em casa sentindo tédio e calor. Será que consigo dormir? Tô com maior fogo no rabo pra sambar, mas que adianta sair e ficar passando mal? Pensei em fumar um cigarro, mas acho que não vai ajudar muito. Na verdade, acho que vou é vomitar. Tô com uma puta dor de estômago.

Faltou luz durante a tarde aqui em casa e a Gomes Freire tava às escuras até há pouco. Juliana chegou do trabalho e veio jantar comigo, já que subir 5 andares de escada e comer no escuro não era uma opção auspiciosa para uma convalescente. Foi bom, rimos um pouco, conversamos, fizemos planos para amanhã e para um futuro fictício: amanhã queremos ir à praia, algum dia queremos morar num apartamento bem grande, nós duas e A Desgovernada. Tá, tô velha pra morar em república de moças, mas ia ser divertido. Não custa rir fantasiando. Estou muito triste com a mudança da Desgovernada, eu confesso.

Agora que a Ju foi pra casa estou entediada e triste, com vontade de chorar.

Perfeito!

Sábia Sardas deu a dica: cavalo que nada! Vou sair peladona, só de capacete na garupa do moto-táxi!
Hmm... de repente boto meu boá amarelho que sobrou do carnaval.

Quero chorar!

Acabei de aprovar a milhonésima prova e fechar a revisão do livro do HTP. No fim, depois de trocar um milhão de e-mails, acabei ligando pra editora pra cantar cada alteração. Como dá trabalho fazer um livro! Dá trabalho mas é bom, é uma delícia. Estou emocionadíssima!

Agora tô no aguarde da prova derradeira, espero. Vou só passar os olhos nas alterações pedidas e dar o 'ok' pro livro ir para a gráfica. Acho que no dia que ela me avisar que tá na gráfica eu vou chorar de verdade. Nem sei como vou sobreviver ao dia que segurar nas mãos um exemplar do livro.

Partilhei com Juliana, via GTalk. Ela disse que tenho direito a uma loucura no momento que receber a notícia que o livro foi pra gráfica. Posso agarrar alguém ou comprar uma passagem pra Bali ou comer um quilo de chocolate. Pena que tenho medo de andar a cavalo, o ideal seria fazer a Godiva da Lapa e ir peladona num cavalo branco pra Casa da Cachaça.

Bom, se não estivesse convalescente, ia agora mesmo dar um mergulho. Ai, que saudade da praia. Como não posso, vou deitar um pouco. Queria e precisava partilhar isso com vcs, meus leitores.

Para animar a tarde!

Pelo menos teve um bafão pra me divertir durante a falta de energia. Ouvi um bate boca e corri pra janela. Alguém tava encestando o faz-tudo do prédio! Porrada! O porteiro separou e ele foi embora com a careca sangrando. Eba! Me senti vingada por todas as vezes que fiquei esperando aquele careca safado vir consertar minha descarga. Rá!

Sempre piora

Não basta estar em casa com dor de barriga num calor do capeta em plena sexta-feira. Tinha que ter uma obra barulhenta na minha rua. Não, não bastou ainda. Tinha que faltar luz pra eu derreter dentro de casa.

Tá, voltou a luz e estou me sentindo até melhor. Acho que vou dar uma dormidinha da saúde. Mas que tá uma sexta pouco auspiciosa, tá.

Convalescente

Não fui trabalhar hoje, quer dizer, não fui pra repartição. Tô trabalhando de casa. Plena sexta-feira de sol e eu com dor de e na barriga, sentada no computador e olhando o céu azul pela janela na minha frente. Ninguém merece.

Mas como sou brasileira que não desiste nunca e tenho fé em zambi, hei de convalescer antes do anoitecer, hei de desfilar minha beleza morena pelas ruas da Lapa mais uma sexta-feira. Logo hoje, que eu queria dançar!

quinta-feira, 25 de março de 2010

Dodói

Saí mais cedo do trabalho, estou em casa convalescente.

Tá fazendo nada mermo... vai lá fazer o curso!

Bebe cerveja de barriga vazia, filha da puta

Acordei de piriri. Não devia, mas vim trabalhar. Estou realmente arrependida.

Alegria, alegria

Foi bom tomar três cervejas de barriga vazia: fiquei bebada. Adoro ser feliz com pouco. Cheguei em casa, comi um queijo quente e agora tô aqui, blogando, tomando minha coca zero de latinha e fumando um marlboro. Acabei de abrir o maço. Adoro abrir maços de cigarro. Adoro o cheiro de cigarro, de maço novo, de cigarro que acabou de sair do maço. Sabe o que eu adoro mesmo? beijo com gosto de cigarro.

A vida é bela. Pra ficar melhor, amanhã tenho que lembrar de comprar um isqueiro.

Estou feliz de doer. Terminei de baixar o Nokia OVI, vou dormir.

A vida é bela

Deixamos uns breguetes baixando aqui e saímos. Vinícius foi pra casa e eu fui visitar A Loirinha, que está dodói. Acabei com as cervejas da geladeira e a sopa de convalescente dela. Sou ótima amiga, afinal as cervejas ela não podia beber mesmo. Ficamos deitadas falando da vida, das nossas mães e ex-sogras, para concluirmos mais uma vez que, se a melhor coisa de namorar é (supostamente) ter sexo à vontade, a melhor coisa de ser solteira é não ter sogra. Falamos dos nossos homens, atuais e ex. De como são fofos, cada um com sua esquisitice. Um é bom porque é biruta, o outro porque é trololó. Um porque pertence ao nosso universo cognitivo e o outro porque é crédulo. Um nos encanta porque é intiligente e o outro porque é burrinho. Uma delícia. Mais uma vez concluímos que adoramos homens e é muito difícil escolher um só. Amamos todos. Pena que deem tanto defeito. Daí veio a conclusão suprema da noite, que se subdivide em duas: precisamos renovar nosso plantel de peguetes e frequentar outros ambientes. Além disso, pra melhorar a performance dos brutos, vamos preparar um curso de capacitação masculina. Palhacinhos, tremei!

Adeus, cadimia

Não fui malhar hoje, mas tudo bem, nem chegou a ser uma cabulação. Foi a função do computador.
Bom, o que interessa é o seguinte, tá funcionando, rapá. Tá tudo lindo, computador e celular conversando com o roteador e eu tenho a senha de tudo. Rá!

Cadimia, amanhã me terás de regresso.

Há internet!

Vinicius é o melhor, vamos respeitar!

quarta-feira, 24 de março de 2010

Hoje é dia de cadimia!

Vincius vai lá em casa de novo se estapear com o roteador. Disse que é rapidinho. Assim que ele sair, parto pra cadimia pra aplacar minha ansiedade no exercícios. Ai, a vida é bela!

Eu confesso, estou feliz de chorar

Estou muito feliz, emocionada, com vontade de chorar de alegria. Tô abobada, atordoada, não consigo parar de sorrir, tô que nem criança. Hoje recebi a prova final do livro do HTP! Vou revisar e assim que dermos o OK ele vai pra gráfica. Acho que alegria maior mesmo só no dia do lançamento.

Ai, vocês não tão orgulhosos da blogstar de estimação que vocês têm? Eu tô muito orgulhosa de ser Roberta Carvalho.

Eu confesso: quero ir pra casa chorar de felicidade.

Abobada

Tá acontecendo tanta coisa na minha vida e tudo tão rápido que nem tô conseguindo processar. É lugar comum, mas tá muito montanha russa de emoções. Ia blogar que tava felizinha hoje, daí me envolvi num espetáculo circense e fiquei puta. Contei pra Ju e ela nem deu trela, me lembrou de outro coisa maravilhosa "vc vai perder tempo com raiva de palhaço?". É, não dá. Estou exultante de felicidade.

O mundo é estranho

E homem é tudo palhaço. Olha, acabei de tomar espetáculo na cara que vou te contar. Conseguiu não só me surpreender como me dar muita raiva. Tô quicando de ódio. Trinquei os dentes de raiva, vontade de dar um soco no palhaço. Pior, era um palhaço que sempre elogiei, sempre falei que não tinha nenhum 'ai' pra dizer dele, nenhuma queixa.

Que babaca, que desnecessário, que... que palhaço!

Felizmente, já aprendi a não postar no HTP com raiva. Deixa pra quando eu for só deboche.

Às vezes, a vida é dura

Por motivos alheios à minha vontade, fui obrigada a formatar meu computador ontem. Na verdade, o Vinícius fez o trabalho sujo. Eu só fiz o backup e depois fiquei olhando. Mentira, fiquei tagarelando. Tá, também ofereci água, água com gás, coca zero, light ou comum, cerveja e cachaça com banana. Perguntei ainda se ele queria batata assada, batata pringles, pizza, barrinha de cereais ou sorvete. Não quis quase nada. Eu tento bem receber os amigos, mas as pessoas não coloboram. Vou passar a dar água da bica em copo sujo pra ver se vocês gostam.

Devia ter comprado umas tomadas e colocado o Vinícius pra trocar pra mim. Ele é moço prendado, fez a instalação elétrica do quarto dele e possui sua própria furadeira! Se não fosse meu amigo, pedia ele em casamento!

Bom, a questão que vale o post não é o Vinícius ser prendado ou só ter aceitado água e coca cola, o negócio é que o computador fez birra e não quis mais ser amigo do roteador. Cortaram relações, sabe? Agora tô sem internet em casa. Ontem mesmo, queria fazer dois posts à noite pra partilhar com vocês boas notícias e... nada. Pois é, amigos, sou uma blogstar desconectada.

terça-feira, 23 de março de 2010

Inacreditável

Hoje ainda é terça-feira! Estou cansada como se fosse sexta!

Chope dos leitores de abril

É isso aí, meus amigos, março tá chegando ao fim e já é hora de pensarmos no nosso próximo encontrinho. De acordo com a tradição milenar, afinal sou uma mulher conservadora, o Chope dos Leitores será na primeira quinta-feira do mês: dia 1º de abril! E não é mentira não. Onde? Dã! No Boteco do Gomes, é claro!

Sim, é véspera da Semana Santa. Ah, você é católico e não pode beber? Tu vai pra um retiro espiritual? Caguei, não sou cristã. Como? Você vai viajar e não vai poder ir? Caguei, te vira. A vida é feita de escolhas. Se fode aí. É isso mesmo, eu sou marrenta mermo. Sou porque posso. Ó, quero que cada leitor leve uma mentira pra mim como mimo.

Ah, se eu fosse você não perderia. Tenho revelações bombásticas, fofocas deliciosas e novidades para comemorar e partilhar com vocês. Quem perder esse se fudeu porque em maio não ter chope. Viajo de férias para o Chile no dia 23 de abril e só volto dia 12 de maio. Na primeira quinta-feira do mês estarei em algum lugar do deserto do Atacama.  Em junho? ninguém sabe se vai estar vivo em junho, porra. Deixa de ser viado/piranha e vai lá. A vida é curta e passa rápido, vai ficar de palhaçada?

segunda-feira, 22 de março de 2010

Sarada

Não cabulei a cadimia. Já tava na esquina da Lavradio quando minha amiga com quem ia beber ligou cancelando. Voltei pra casa, coloquei meu belíssimo traje azul e branco da ACM, calcei meu tênis xexelento e me mandei. A ACM nunca me viu tão cheirosa como hoje. Pena que a Ju tinha eveinto da repartição à noite e se viu em situação de cabulação compulsória. Malhar sozinha não é a mesma coisa. Pra quem eu ia dar olhares de deboche no meio do salão? Sem falar que essa porra de ACM é longe. Ir andando e fofocando é muito melhor. Fora a vontade de tomar um chopinho na volta. Cara, malhar combina muito com um chopinho gelado na saída! Agora, entrar n bar sozinha, suada e xexelenta pra beber já era demais. Vim pra casa, afinal, aqui sempre tem skol geladíssima!. Até tentamos agendar um gengibre na Cachaça, mas ela só conseguiu se desvencilhar tarde. Fica pra amanhã.

Olha, vim andando pra casa no maior orgulho. Não roubei nada nos exercícios. Já tava me sentindo saradíssima, alongadíssima, toda durinha quando me toquei que esqueci os 20 minutos finais de esteira. Puta que pariu! Tá, tá certo que não foi desonestidade minha. Fiz todos os exercícios direitinho, as séries completas, mesmo as de um milhão de repetições. Ao fim dos abdominais - confesso que hoje foi foda - parti pro alongamento toda serelepe. Só lembrei do exercício aeróbico seca-barriga já na rua. Daí foda-se também, né? Tá, eu sei que o aeróbico que vai queimar a gordura, mas quer saber? Quero nem saber se o pato é macho, quero é mais ovo. Sei é que tô gostosa pra caralho! Ai, me como todinha!

Adivinha?

Vou cabular a cadimia e beber.

Alegria de domingo

Almoço na residência do Grajau

De livros e amigos

A Noiva confessa que está com um livro meu. Garantiu que tá lendo e vai devolver. Eu nem tinha dado falta deste.

Pedro, avisou "não devolvi porque não te encontrei. Limpei minha barra agora?". Não, não limpou. Aliás, que vc trouxe de presente de Cuba pra mim mesmo?

Pizza das amigas

Líndricas!

Hoje não é um bom dia

Tá, também não é um dia muito ruim. É segunda-feira, né? Não dava pra ser muito bom.
Como sempre, acordei antes do despertador e fiquei olhando pro teto até ele tocar. Pensei "hoje eu não vou trabalhar, foda-se". Desliguei e continuei deitada até estar quase atrasada. Fui olhar o tempo e tava um dia lindo. Pensei "hoje eu não vou trabalhar. Foda-se. Vou pra praia. Foda-se chegar bronzeada amanhã. Foda-se que meu chefe lê meu blog. Tá um dia bonito demais pra me trancar na repartição". Fiquei na janela olhando o céu até estar atrasada.

Fui tomar banho. Lembrei que amanhã tenho uma reunião na qual vou fazer uma fast apresentação e precisava de alguns dados pra preparar o que vou falar. Além da reunião semanal, tenho uma reunião mensal com todos os jornalistas da repartição. "Tá, eu vou trabalhar. Que merda". Tomei café e me arrumei. Resolvi que era um bom dia pra sair de sapato alto, pra olhar o mundo de cima. Peguei meu maior sandalhão, aquela que só uso quando saio fantasiada de travesti. O espelho com a faixa "tenha fé", tirada da minha fantasia de vendedora de orações do Império Serrano, confirmou que estava linda e enorme. Desci me sentindo charmosíssima dando passos pequenos e calculados, pra não adernar, topar numa pedra, virar o pé num buraco. Andei 200 metros e capitulei. Ainda que conseguisse subir no ônibus, não conseguiria chegar na repartição. Eu desço num ponto imundo, subo uma passarela, desço, entro na repartição, ando quase 10 minutos entre ladeiras, matos e calçadas enlameadas e quebradas. Não ia rolar. Voltei pra casa e calcei a rasteira laranja de todos os dias maldizendo a repartição.

Saí de novo, andei até o ponto, peguei um ônibus quente e sujo. Fui sentar e havia biscoitos maizena esmagados no banco que tinha janela. Sentei em outro, do lado do sol, sem janela. Os ônibus para a repartição são nojentos, sujos, sórdidos, quentes, barulhentos. Eles sacodem, as janelas batem, os passageiros quase todos tem aparência de mendigos. Muito auspicioso para começar o dia.

Cheguei no trabalho feliz como sempre. Subi a ladeira arrependida de ter vindo. Ao entrar na sala uma colega perguntou se aconteceu alguma coisa, porque eu tô abatida. "Acho que tô ficando resfriada". Realmente, meu corpo está moído. O calega que me passaria os dados não veio trabalhar, o filho está doente.

O almoço estava horrível. Tô com dor de cabeça. Hoje não é um bom dia.

Adivinha?

Meu humor melhorou depois do almoço, mas meus dentes tão doendo pra caralho.

Adivinha?

Péssimo humor.

A vida é bela

Apesar do sono e das borrachas nos dentes, estou felizinha.

domingo, 21 de março de 2010

Por falar em Pedro

Estamos de papo no GTalk. Ele quase concorda com a avó. Reclamei de um palhacinho que deu defeito "lástima. Ele era tão divertido". Pedro não titubeou "aluga um DVD do Casseta&Planeta".

Sabedoria da vovó

Dia desses meu amigo Pedro Prata me ligou às gargalhadas. Tinha estado com a avó e lembrou de mim. Narrou o diálogo que tiveram:

- Deve ser muito difícil pras moças de hoje conseguirem dar. Fico com pena, sabe?
- Como assim, vó?
- É, hoje em dia tem mulher bonita pelada em tudo quanto é lugar, na televisão, na revista, no outdoor. Ficou muito fácil, banalizou. Essas moças de hoje devem ter que se esfoçar! No meu tempo era só mostrar o tornozelo que o pau subia - disse realmente consternada.

É, acho que vou chamar a Vovó Prata pra comentarista do HTP.

Pérolas de mamãe maluca

Hoje acordei às 3h da tarde e fui "almoçar" na casa da minha mãe. A safada aproveitou que eu não aparecia há alguns dias pra uma chantagem básica e me fez deitar com ela pra ver o jogo do Fluminense. Talvez por ser a única mulher em cinco irmãos, minha mãe é obcecada por esportes. Tô eu lá, personificação do tédio olhando a TV sem prestar atenção. Eis que fixo o olhar justo no momento de um close em um moreno muito bem fornido.

- Ih, esse aí é um gato, hein?
- É o fulano.
- Um desses que ando precisando lá em casa...
- E com urgência!

Porra, até minha mãe acha que tô no perigo!

O mundo é estranho

E a minha decisão está tomada.

sexta-feira, 19 de março de 2010

quinta-feira, 18 de março de 2010

Alegria, alegria

Hoje é dia de pizza+chope com as amigas!

Presente faz feliz

Pois podem me mandar tudo. Experimento tudo. Se gostar, eu posto. Adorei.

Maria Stella confessa:

Lete. Arte e crítica do esquecimento está em seu poder.

***

Agora só falta o safado que tá com o "Filosofia da caixa preta" se manifestar.

Esse negócio de blog não é ruim não!

Como eu sempre digo, esse negócio de blog dá até pra comer gente: meus dois últimos namorados eram leitores, fora vários peguetes e casinhos. Fora isso, né que esses dias recebi um e-mail de uma empresa de camisinhas pedindo meu endereço pra me mandarem um kit de brinde? Se chegar mesmo eu posto uma foto.

Adorei!

Mau humor sensacional

Azedei.

Sabe o armário de papel que eu tinha arrumado?

Baguncei tudo. Agora vou dormir.

Mau humor platinado

Tô reluzindo. Sai de perto, a não ser que seja pra devolver o caralho dos livros.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Possessa

Já que não para de chover nesta cidade e não fui nem pra ACM nem pro Irish Pub, resolvi arrumar meus livros. Só pra começar dei falta de dois e já fiquei puta. Alguém pegou emprestado e não me devolveu o Filosofia da Caixa Preta, do Flusser, e o Lete. Arte e Crítica do Esquecimento, do Weinrich. São dois livros que gosto muito e releio com frequência. Sei que só empresto livro pra amigo, portanto, espero que o desinfeliz me devolva. Tô tão irritada que até tirei as borrachas do dente. Ainda vai prejudicar meu tratamento ortodôntico!

Se não está com vc, não precisa se ofender. Se está não precisa ter vergonha de me devolver. Se tá com muita vergonha, bota num envelope e deixa na minha portaria. Sei lá, se vira, mas quer fazer o favor de me devolver os caralhos dos livros?

****

Não sei bem por que, mas algo que me diz que se eu der uma batida da casa de Pedro Prata encontrarei vários livros que eu dava por desaparecidos.

Saint Patrick's Day!

Depois da cadimia vou fazer em casa fazer um refil rápido e saio de novo para encontrar A Gangue. Enquanto irlandesas lindas, loiras e japonesas da Lapa, vamos nos jogar no Irish Pub pra comemorar o dia do nosso padroeiro com muita cerveja.

Projeto Quarentona Toda Boa

Hoje é dia de ACM!
Tô toda doída, entrevada, mas quero nem saber. No lugar de fumar vou é despejar minha ansiedade no transport e nos abdominais.

Eu confesso

Estou meio louca. Relevem os posts sem sentido e os erros de português.

Hoje passei a manhã embrenhada na burocracia. Não sabia se ria ou chorava. Devia ter tirado fotos. Na saída, antes de partir pra repartição, fui obrigada a fumar um cigarro. Comprei um maço de Marlboro e fumei um dos cigarros mais deliciosos da minha vida. Acho que não sentia o gosto de um cigarro há mais de um ano.

Tá, vou virar fumante não. É só um amiguinho num momento de estresse máximo.

Vou dormir

Preciso tomar decisões importantíssimas amanhã. Ai, só penso nisso!

O mundo é estranho

Passei na casa da Ju depois do trabalho. Ela tinha me chamado para o lançamento de um livro. Como eu tava cansada, resolvi tomar uma cerveja com ela e vir pra casa descansar. Ela não tinha cerveja em casa. Decidimos que ela iria ao lançamento e me ligaria na volta, pra tomarmos uma cerveja e talvez um gengibre na Casa da Cachaça. Mal cheguei em casa, ela ligou. Tinha sido roubada, tava sem o celular e não ia mais sair.

A Desgovernada veio ter conosco e expendemos o resto da noite na delegacia pra fazer o BO. Levou séculos. Ao fim, como merecemos, fomos comer pastéis com chopinho gelado. Como já disse, esse Bar do Adão na Gomes Freire foi a derrocada da nossa dieta.

Vou dormir feliz e com azia agora.

O mundo é muito estranho

Hoje eu acordei meio triste, chateada sem motivo. Daí ao longo do dia recebi uma ligação que pode mudar toda a minha vida. Fiquei entre ansiosa, assustada, excitada. Fiz mil ligações, consultas. Não cheguei a conclusão nenhuma, mas vou dormir animadíssima. Estou com um sorriso que não tem como tirar do meu rosto.

terça-feira, 16 de março de 2010

Maluca

Requisitei aconselhamento profissional aos amigos e, como o mundo é estranho, parece que o Vela vai participar de uma sessão hoje à noite. Pelo menos ele é mais barato que A Cigana: aposto que aceita pagamento em cerveja.

A Cigana

Ia postar que ela tinha razão, mas descobri que ela comeu mosca numa parada importantíssima.
Tá, ela tinha razão quanto a algumas questões e moscou quanto a outro assunto.

Entrevada

Ontem cheguei em casa e chapei. Tava morta. Achei que ia acordar toda entrevada hoje. Nada!
Acordei meia hora antes do despertador me chamar, toda serelepe. Tomei café da manhã, admirei meu rosto do espelho, tudo com calma. Saí pra repartição me sentindo atleta. Humpf. Depois do almoço veio a rebordosa. Já comecei a mancar. Até à noite vou estar andando toda torta e olha que marquei cervejota.

Gos-to-sa!

Ontem fizemos nosso retorno triunfal à cadimia. Passei na casa da Ju e rumamos para a ACM trajando nossos ridículos uniforminhos azul e branco. Eu vou disfarçada e meto uma saiota por cima da bermudinha, mas minha companheira é mais corajosa e vai de legging. A ACM é um universo paralelo, mas gosto de lá. Como diz a Ju, é quase uma academia geriátrica, com poucos malhaíbas. Nem me sinto oprimida enquanto baranga sedentária. Sou sócia senior, sabe? Sim, por causa da idade. Pois é. Quase caí pra trás qndo recebi minha carteirinha e tava lá "Senior" ao lado da pior foto da minha vida. Tudo bem, eu sobrevivo. Pior era a balança do capeta do programa de reeducação alimentar da repartição que me dava idade metabólica de 47 anos. Nunca mais subo naquela merda.

Mas voltando à nossa retomada, quase-quase fomos interceptadas pelo Bar do Adão, que às segundas tem rodada dupla: vc pede um pastel e ganha outro igual! Pois é, mas perseveramos. Até planejei fazer a versão pocket da minha série, mas me animei e fiz ela inteirinha. Tá, roubei um pouquinho nos minutos do transport, mas nada grave. Nem fui desonesta nos abdominais: fiz os 210. Sim, filhos, aquela biba pequena que preparou minha série acreditou quando eu disse que queria ficar com barriga de tanquinho (brincadeira, na verdade, pedi pra perder peso e ganhar resistência física). Faço três vezes 30 abdominais de uma modalidade medonha e no fim mais três de 20 de outros dois tipos não tão ruins, embora bastante constrangedores. São no bolão, que fica na entrada do salão. Quem chega me vê deitada no chão levantando 120 vezes um bolão azul nos calcanhares.

A beleza não conhece a dor nem o ridículo.

***

Ao fim, mais uma suada no transpor e saímos lindas, loiras e japonesas. Fomos embora felizes e sorridentes jurando voltar na quarta. Já távamos nos sentindo saradas e macérrimas. Fomos imundas e xexelentas comemorar com pastéis e chopinhos no Bar do Adão, afinal, merecemos.

Quarta-feira, se a conjunção astral for favorável, eu volto.

Toda fodida

É, não bastava ter cortado uma fatia do mindinho direito com a plaina de queijo, tinha que foder o polegar tb.
Lembrei porque é melhor comprar queijo fatiado e não o tijolinho pra fatiar em casa. Sim, sou desastrada.

Prejudicada

Não posso digitar muito, meu polegar direito - o que bate na tecla de espaço - tá com a unha inflamada. Sim, arranquei um naco de cutícula com o dente e inflamou. Sim, isso é idiota mas eu faço. Sim, estou ansiosa e tensa.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Estresse e mau humor...

...teu nome é Roberta.

A internet está absurdamente lerda e instável no meu trabalho. Já soube que no de outros amigos também, mas isso não diminui minha irritação.

domingo, 14 de março de 2010

Por falar em circo

Os comentários do HTP estão funcionando. Divirtam-se.

Para as malas leram, mas não compreenderam meu aviso (tô em dúvida entre os termos limítrofe ou analfabeto funcional), reitero que vou terminar de ajeitar na segunda-feira.

Eu confesso

Sou palhaça e fanfarrona, mas nasci mesmo pra ser dona de circo.

Homem é tudo palhaço

Tenho muuuuitas histórias pra contar, mas sem disposição pra redigir. Que vocês acham de eu providenciar um negócio de podcast? De qualquer jeito, acho que sou mais engraçada falando que escrevendo.

Alegrinha

Mas sabe como é, né? A vida é bela e estou feliz.

Relatório de fim de semana

Fui a uma festa na sexta e outra no sábado. Difícil decidir qual das duas tava pior, mas pelo menos na de sábado a bebida era de graça, embora fosse longe de casa. É, deu no mesmo, porque o que gastei de bebida ontem, gastei de táxi na véspera. Tá, na de ontem as pessoas eram mais feias e mais mal vestidas, nem sei como isso foi possível, mas conseguiram. Como disse o sábio e meu amigo Vela, "aqui só tem looser". Eu nunca uso este termo, mas ele tava certo. Como diria outro amigo, sábio e bêbado, "aê, mó derrota".

É, acho que serei obrigada a sair durante a semana pra me vingar. Aceito convites.

Ressaca

Acordei há pouco. Na verdade, despertei de calor, empapada de suor. Se fosse a feliz proprietária de um aparelho de ar condicionado acho que ainda estaria dormindo. Nem bebi tanto ontem, mas sei lá. Tô com dor de cabeça e meio enjoada. Meu estômago anda péssimo e tenho dormido muito mal.

Agora tô tomando café forte com queijo quente. Delícia. Depois vou descer e empreender uma missão de busca e apreensão por uma garrafa de 2l de Coca Zero. Não volto pra casa sem meu precioso líquido negro.

Nem parecia domingo, meu celular não parou. Parece até sacanagem, mas todo mundo me ligou hoje! Sei que tinha marcado praia com a Ju, almoço com umas 3 amigas e samba com uma outra, mas até que não tava agendado ligou. Só atendi minha mãe, que ligou duas vezes, e uma amiga que anda tristonha. Sorry, people.

O projeto praia naufragou, não almocei nem pretendo e já cancelei o samba, tô sem saúde. Vou retornar as ligações que não atendi e me arrumar. Acabei me decidindo por um cineminha com pizza e chope depois que escurecer, coisa que não faço há nem sei quanto tempo. Mas, antes, preciso de mais um café e um balde de coca zero com muito gelo.

A vida é dura

Sigo sem Coca Zero há nem sei mais quantos dias. Dói.

sábado, 13 de março de 2010

Café da saúde

Vou tomar um banho e descer pra tomar café na padaria.

A repercussão com O Orientador

Ai, Roberta. Tudo isso eu te digo de graça e a gente bebe essa grana, né?

A culpa é da cigana

Dia desses tive uma consulta com um oráculo. Sabe o que ela disse? Que tô bebendo pouco, que fiquei fraca pra bebida. Que tô indo pouco pro bar, que me quer no botequim, me quer tomando cachaça. Que até o ano que vem não tem amor pra mim não, só pegação. Que não vai me dar homem fixo até fevereiro de 2011, que é o tempo pra eu esquecer meus amores atuais. Ah, disse que os homens que tenho na minha vida atualmente são tudo zé ruela que não servem pra nada. Quer dizer, zé ruela eu que digo, ela diz que são bons de coração e servem pra amigo. Só um deles, segundo ela, serve pra dar uns amassos, que nisso ele é bom (palavras da própria, que deve ter experimentado ele mais do que eu). Esse é pra manter esse como peguete e catapultar os outros.

Ai, cigana, me dá saúde então, né?

Rebordosa

Acordei há pouco, despertei de calor nessa porra de casa. Não sei se tá muito calor mesmo ou é a ressaca. Ontem eu tava lôca. Tô toda entupida, mal consigo respirar. Pensando bem, foi bom ter dormido sozinha: devo ter roncado que nem uma porquinha. Uma dor de cabeça dos infernos e uma bolota na nuca por ter dormido com muitos travesseiros dão cabo de qualquer possibilidade de bom humor.

Cagalho, que tô um lixo. Por que que a gente bebe? Tá, eu sei que a gente bebe porque é líquido, mas então por que mistura vódega e latinhas de várias marcas diferentes de cerveja?

Quer saber o pior? Hoje é aniversário do Mendonça e a bebeção continua daqui a pouco.

Estou numa fase de excessos.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Perigooooosa

Já que meu gerente de blog,o Gibi, foi pra luz e me abandonou, tô mexendo no layout do HTP. Sabe como é, sou uma mulher de coragem e gosto de viver perigosamente. Tá, tô tendo o auxílio luxuoso da loirinha, designer e minha amiga Gabi Silveira. Diz por aí que vai dar certo e que, ainda hoje, haverá comentários. Torçam!

***

Aposto 5 mariolas e um gengibre na Casa da Cachaça que o rabiscado safado e cheio das idiossincrasia vai ficar com ciúme. Ele é ciumento, mas não assume, é claro. Gibi, eu ainda te amo, embora vc tenha me abandonado. Pode voltar, mesmo sem fazer layout pros meus blogs, tá?

Tô rica!

Diz que o sindicato conseguiu uma liminar e vão devolver os 300 dinheiros que tinham cortado dos nossos salários de barnabés dedicados! E vai rolar retroativo! Uhu! Vestidinho novo, aí vou eu! Te prepara, Shopping Vertical, que tô reinserida na sociedade de consumo!

Merda

Perdi a boleta da lavanderia. Sempre faço isso. Deixo o casal de velhinhos malucos procurando minha roupa. Lá vou eu de novo, porque é sexta-feira e preciso trocar os lençóis, né? Vai que recebo visita, né?

Falar em mongar, perdi também o recibo dos óculos escuros que deixei para consertar. Tinha sentado nele e quebrado  uma haste. Merda.

Pior, posso ter jogado tudo fora na limpeza no armário de papel. Já dei uma batida na minha carteira, agenda e na caixinha de madeira que fica perto do computador e onde guardo os papéis que vou usar em futuro próximo.

Merda, merda.

Ótema

Acordei alegre e feliz hoje. Tá, tô com um caroço na nuca por ter dormido mal e me sentindo gorda, mas tudo bem.
É que hoje foi um daqueles dias que os terríveis duendes invadem seu armário na madrugada e trocam todas as suas roupas por peças idênticas, mas um tamanho menores. Troquei de roupa mil vezes antes de ir pro trabalho. Nada dava em mim e saí me sentindo uma baranga. Tudo bem. À noite passo a perna nos duendes e estarei linda em algum dos meus vestidinhos. Tô ótema.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Mentira

Tá, é mentira sim. Passou não, mas acalmou.

Relatório do piti

Varri a casa, desliguei a música, tomei banho quente, enxaguei o cabelo emplastrado de creme. Não chorei, não consegui. Meus olhos tão ardendo, mas passou a vontade. Passou a crise. Não adianta sofrer por antecipação, só por ter tomado uma decisão difícil. Ou resolvo ou não, ficar de frescura não é para mim. Pronto, acabou. Vida que segue.

Fome e sono

Vou comer minha porção de ração humana da noite e dormir. Talvez brinque com o rabbit, mas tô com preguiça. Preguiça de gozar é o cúmulo da preguiça, né?

Liga não

Sei que não tá fazendo sentindo o que tô escrevendo, mas tô escrevendo pra mim e não para vocês. Tô só pondo pra fora, pra ver se desengasga.

Há muito tempo eu me engano com uma situação. Finjo que não é comigo, que não tô vendo muito bem, que daqui a pouco melhora, que sei lá o que. Daí chegou num ponto que não dá mais. Pra minha vida andar vou ter que fazer uma coisa que vai doer, que não quero fazer, que tenho medo, que evito, que faço que não sei, não posso, não quero.

Agora não dá mais. Que merda.........

Arrumei sarna pra me coçar, né?

Agora tô aqui ouvindo Cassia Eller e com o choro engasgado. Se pelo menos eu chorasse. Que merda.

E o pior é que eu fui atrás. Não, mentira. Eu fui porque sabia que precisava, mas tava me enganando. Mas que merda.

A vida é bela

Não, não estou infeliz. Estou um pouco triste porque sei que vou ter que fazer uma coisa que vai doer, mas continuo amando e tendo orgulho de ser Roberta Carvalho.

Mas que merda.

Tô numa encruzilhada. Eu sei o caminho que tenho que tomar para seguir em frente, mas dói. É difícil e dói. Ontem me jogaram na cara o que eu sei, mas escondo embaixo do tapete. Não tem jeito, não dá mais pra fingir que não tá aí, pra adiar.

Tudo bem, eu sobrevivo, mas que é uma merda, é.

Vida que segue.

Agora vou varrer a casa, tomar um banho de sal grosso e chorar na cama pra dormir. Amanhã pretendo já ter esquecido isso, porque a decisão já tá tomada e não adianta remoer. Amanhã vou ser feliz e me divertir.

Mas que é uma merda, é.

Que merda

Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda. Que merda.

Cansada

Tô me sentindo cansada como há muito não sentia. Saí da repartição, botei a depilação em dia, passei no supermercado pra reabastecer os víveres e dar cabo da carestia. Cheguei em casa há pouco, jurando que ia esfoliar as pernas, dar um sossega leão no peruca medonha e arrumar a casa. No meu estado, vou comer um miojo, tomar um banho e deitar pra me divertir com o rabbit.

Quer saber do que mais?

Vou-me embora depilar meu cu.

E a repartição, hein?

Quando tu pensa que acalmou, piora.

Adoro quintas

Porque é véspera de sexta-feira!

Que eu serei feliz/Sempre feliz!

A cigana leu o meu destino
Eu sonhei!
Bola de cristal
Jogo de búzios, cartomante
E eu sempre perguntei
O que será o amanhã?
Como vai ser o meu destino?
Já desfolhei o mal-me-quer
Primeiro amor de um menino...

quarta-feira, 10 de março de 2010

Você acredita na família brasileira?

Para minha diversão, meu amigo querido Daniel Oiticica voltou a blogar esta semana. Ele é melhor ao vivo, mas enquanto continua com essa esquisitice de morar em Buenos Aires eu mato a saudade pelo blog.


Divirtam-se

Hoje não vou ter tempo de blogar. Enquanto isso, deixo vocês com meus amigos.

Todos os dias eu passo no blog do meu negão gostoso, o fatalíssimo Paulinho: Prosa em Poema

Quase todos os dias, passeio pelo Cesar Parque, outro amigo amado.

Sempre dou uma olhada no que diz Dona Mila.

E, claro, não posso ficar muito tempo sem saber o que anda aprontado a sensacional Carrie, a estranha. Saudade de aproveitar o senso de humor de Carrie pessoalmente.

Péssimas notícias

Acabei de receber um e-mail tristíssimo de um amigo muito amado. Vou dormir chorando, em solidariedade à dor do meu amigo.

Vou desligar o computador antes que chegue coisa pior.

terça-feira, 9 de março de 2010

Acho que tô bebada

Melhor ir dormir. Amanhã tem mais.

Tédio e telefone

Cheguei em casa hoje morrendo de calor e dor cabeça. Depois de comer e tomar banho, fiquei em dúvida se ia ao supermercado, dormia, ia na cadimia ou descia pra tomar cerveja. Para horror de Vicente, eu sempre acho que dor de cabeça é falta de cerveja.

Fofoquei um pouco no Gtalk, mas minha interlocutora tinha um atendimento de emergência e deixei a pobre ir arrumar a casa e se enfeitar para receber o biscate surpresa. Dei mais uma pinta no Feice. Fiz algumas ligações, mas como não encontrei ninguém disponivel pra falar bobagem no telefone, me diverti com o rabbit e dormi. Acordei quase 20h, com o travesseiro babado. Diz por aí que dei pra roncar, mas acho que é intriga da oposição.

Em situação de tédio máximo, resolvi enfrentar o armário de papel, que já não fechava, e eis que toca o telefone. Era minha companhia masculina favorita, retornando minha ligação de mais de duas horas antes.

- Fala aê!
- Tô retornando sua ligação, vc me ligou mais cedo?
- Liguei. Não atendeu por quê? Tava fazendo cocô?
- Não, fui cortar o cabelo.
- Mas já fez cocô hoje?
- Fiz cocô mais cedo.
- Lavou a bunda?
- Lavei. Sempre lavo.
- É bom, porque tua bunda é mole e tu caga muito.
- É nada, é durinha.
- É mole que eu sei. Escuta aqui, tu tá saindo com alguém?
- Nada, não pego nem resfriado.
- Achei que tu tava sumido porque tava se embolando com alguma piranha. Pensei esse puto tá me dando perdido, perdi.
- Perdeu não.
- Ah, bõ. Mas e aí, tu lavou a bunda direito?

Por que eu sempre pergunto aos meus amigos se eles fizeram cocô hoje? E porque eles me respondem?
Sempre que falo com esse meu amigo no telefone me dá vontade de fazer cocô. Quando tô com prisão de ventre ligo pra ele: é infalível. É incrível o poder de solta intestino que a voz dele tem. Até falei "Aê, já fiz cocô hoje, nem adianta". Humpf. Mal disse isso saí correndo pro banheiro.

Rimos muito, contamos histórias, atualizei ele das últimas peripécias da Gangue das Mulheres Loucas. Contei a performance de A Loirinha numa festa bagaça que fomos sexta-passada e dos nossos planos de viajar para Belém do Pará. "Qualquer hora ela entra na TV, porque já foi para a luz". Como ele disse, ela é maneira porque não se leva a sério e não tá nem aí pra porra nenhuma. Por isso quenos damos tão bem, oras!  Já A Desgovernada e A Ruiva não chegaram a surpreender.

Quando ele perguntou de mim, fanfarrona que sou, respondi "Tô na pista, né? Enquanto tu não casa comigo eu vou me virando no biscate". Disse ele que podemos conversar sobre o assunto. Palhaço.

Emocionei

Sorteei um mês aleatório nos arquivos e comecei a reler meu passado. Chorei de emoção.
Eu me amo e sou muito sortuda de ter alguns dos melhores amigos que alguém pode ter. Era uma época conturbada e lá estavam O Orientador e Vicente me mimando, me cuidando.

Acho que ando blogando demais

Talvez eu deva fechar minha boca, me calar.

A vida é bela, belíssima

Tô aqui ouvindo um sambinha, alternando goles de água com gás e cachaça com banana. Papeio com um amigo no Gtalk, marco um chope pra amanhã, respondo uns e-mails, lembro de histórias estranhas que algum dia contarei no blog... a vida é bela.

Aprendizado ou
De como lidar com ideias obsessoras

Às vezes tenho umas ideias bestas, ideias de jerico, sabe? Pois é. Estou meio obsessiva, obsedada com uma dessas ideias. Como sou maluca rodada, vou ficar quietinha, quietinha no meu canto até ela ir embora. Se em duas semanas não resolver, serei obrigada a colocar em prática tal ideia absurda. Fazer o que, né?

Em passado não tão distante eu era impulsiva. Me jogava logo que a ideia obsessora aparecia. Agora faço que não é comigo, contemplo meu teto branco, tomo uma cachaça, pego uns palhaços, jogo conversa fora no botequim, compro uns vestidos novos... e assim a ideia maluca cansa e vai enlouquecer outra. Foi um aprendizado.

Eu sou foda

Me atraquei com o armário de papel e venci a batalha. Meu nome é Roberta Carvalho, porra.

Adoro ser mimada/Tenho alguns dos melhores amigos que alguém pode ter

Meu amigo Vicente-vem-dar-o-cu-pra-gente me escreveu. Ele se preocupa comigo, tão fofo.Comentei que tô adoentada, gripada, que ia tentar ficar em casa esta semana.

- Às vezes me parece que vc pede que alguém diga "não, fica quieta". Às vezes me sinto resposável por falar isso, talvez só pra vc escutar. Sei que em termos sanguíneos não sou sua família, mas como gosto de vc acho que o mínimo que posso fazer é tentar cuidar de ti. Por isso vivo falando que vc bota a bunda na janela demais. Cuidado para não encurtar seu prazo de validade nessa ânsia de viver desesperadamente. Dá pra ir pra casa, dar uma dormidinha, esperar dois dias e voltar pra esbórnia, né?"
- Dá. Mas eu tô tão piranha hoje....
- Mas, porra, o que tu prefere? Ser uma piranha combalida hoje que mal vai levar madeirada no pastel de cabelo ou um menina comportada que vai dormir cedo pra se recuperar e piranhar depois?


Tá, me convenceu, não quero ser piranha combalida. Sou uma blogstar poderosa, linda, loira e japonesa. Ainda bem que tenho meu Vicente pra cuidar de mim. 

- Sei que sou seu amigo chato, caretinha, com culpa católica e tudo mais. Mas, porra, alguém tem que dizer pra vc parar um pouco pra não gastar muito a máquina! Depois vc me xinga. Haha. E bobagem achar que vc me ouve tb.

Pior que ouvi. Pegou pesado com esse piranha combalida. Quero não.

É ele briga porque me exponho no blog. Vai brigar por causa desse post. Quando vai no Chope dos Leitores ele não me deixa mostrar a calcinha. Se não vai, avisa "Não vou, mas vê se não mostra a calcinha, porra!". Ficou puto quando soube que mostrei a xoxota na festa de Reveillon. Pô, só tinha mulher e viado! E é uma tradição nossa, passar sem calcinha e cueca para termos um ano inteiro de buceta (e piroca) solta. Depois de uns prossecos claro que mostramos que távamos soltinhos. Os outros convivas não entenderam muito bem, mas não tem problema.

***

O mais engraçado? A mãe dele já quis que ele namorasse comigo e o pai sugeriu que gostaria de me ter como nora.
Tá vendo? sou nada de piranha combalida, sou linda, namorável e casável.

Desvendado o mistério

Não é gripe, é sinusite/alergia.
Tão pintando algumas instalações da repartição. Eu chego bem no trabalho, mas depois de algumas horas começo a passar mal. É a porra do cheiro da tinta.

Linda e magra!

Ou pelo menos emagrecendo.
No carnaval tentei usar um short jeans e ficou medonho, desconfortável de apertado. Ontem peguei o mesmo short pra ir na casa da Ju. Usei e ficou largo. Como resumiu Juliana, o carnaval que fudeu com a nossa dieta e nosso programa de transformar a gangue das mulheres loucas do Centro na gangue das Gostosas da Lapa.

A vida é bela

Ando feliz quase o tempo todo. Semana passada postei que tava feliz e minhas amigas caíram em cima de mim querendo saber se a felicidade tinha nome, mais de 1,80m, ombros largos, mãos grandes e peito cabeludo. Não, não tem. Não há motivo específico para a minha felicidade, e isso é o melhor de tudo.Simplesmente minha vida vai bem, obrigada. Depois de muito tempo - nem sei quanto - está tudo bem. Parece até estranho, mas não tenho nenhum problema com o qual me preocupar.

Tô dura com não ficava há anos, mas é porque comprei um apartamento. Se me encho da dureza posso passá-lo e voltar pra vidinha de comprar como se não houvesse amanhã, fazer a louca do cartão de crédito uma vez por semana. Mas confesso que cansei dessa brincadeira e nem cabe mais nada na minha casa. Então, ao fim e ao cabo, nem tô chateada por estar falida porque sei onde está o dinheiro.

Não estou com nenhum problema de saúde (um pouco gripada, mas passa rápido), minha mamãe maluca e irmã trololó estão ótimas, meus 30 gatos também. Gosto do meu trabalho, embora não goste de onde ele fica, mas tenho achado até graça e não está me incomodando: banalizei a sordidez da repartição. Resolvi não estudar nada pelo menos este sementre e não quero nem pensar no doutorado: não é tempo pra isso. Em compensação vou publicar o livro do HTP e ministrar vários cursos até o fim do ano. Vou fazer duas viagens legais com amigas queridas. Tenho mais amigos do que tempo para dar a atenção que eles demandam, tenho muitos leitores e fãs queridos. Palhaços também não faltam e o picadeiro nunca fica vazio. Se eu aceitar todos os convites que recebo, saio todos os dias.

Brinco que sou gorda e, realmente, até estou acima do peso, mas a verdade é que me acho linda, charmosa, cheirosa, bem vestida, divertida e inteligente. Adoro ser quem eu sou, adoro minha personalidade insuportável, minha cara de pau irremediável, minha boquirrotice, meus acessos de raiva, minha alegria de viver. Levo exatamente a vida que eu gostaria de levar. Tenho muito orgulho de mim mesma. Eu me amo horrores.

Pois é, sou obrigada a admitir que sou feliz e, no momento, não tenho problemas. A vida é bela para quem sabe viver.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Como tem gente chata no mundo, né?

Acho que devia acessar menos o computador. Cheguei ótema pra tomar banhinho e dormir, mas o vício me fez ligar o computador. Tá, tem aquele tédio intrínseco, como diria Carrie. Flana daqui, flana de lá, lê blog, comentários, Facebook, Orkut, e-mails. Pronto, de espirrante feliz fui a irritadiça em poucos instantes. Que saco, como tem gente chata e cafona no mundo, hein?

Vou dormir.

A vida é bela

Cheguei há pouco da casa da Ju. Como ela também tá gripada, fui pra lá espirrar com ela. Comemos, lavamos roupa (!), falamos mal do mundo e dos nossos homens (atuais e passados) e rimos muito. Por fim, concluímos o de sempre: somos muito felizes, adoramos nosso estilo de vida e os homens - de qualquer idade - têm sempre 12 anos. Como esses moços são imaturos, né?

Dodói

Cagalho, tô espirrando horrores.

Medo

Janine tá revirando o baú das fotos antigas e achou algumas nossas do tempo do onça. Tive um pouco de medo. Tá, elas têm uns 15 anos, mas por que mesmo que usávamos aqueles cabelos e roupas medonhos? Ah, tá. Era moda? Ah, eram os anos 90. Entendi. Que merda, hein?

Bom, pelo menos eu era mais magra. Ah, quer saber? A gente só melhora com o tempo. Não estamos só mais experientes e maduras, estamos muito mais bonitas. A vida é bela.

Pensando bem, nem é tão ruim não ter fotos antigas, né? Assim posso me enganar que sempre fui linda, loira e japonesa, sempre elegante, bem vestida e de cabelos invejáveis. kkkk

Estranha

Passei mal no trabalho e vim pra casa mais cedo. Não vou à cadimia hoje. Vou ficar deitadinha na minha caminha, olhando o teto pra ver se meu mal estar passa. Saco.

Mas enquanto não me decido se estou doente ou não

Vou tentar colocar ordem na minha vida.

Hoje consegui levar a roupa na lavanderia antes de ir pra repartição. Duas sacolas enormes cheias de roupa de cama. Acho que nunca deixei juntar tanta. Já atualizei na agenda do celular, no lugar de "Levar roupa na lavanderia" editei para "pegar roupa na lavanderia". Ontem dei uma arrumada na casa e pretendo me atracar com o armário de papel essa semana. Tô precisando achar uns documentos.


Se a conjunção astral for favorável, pretendo ir a cadimia hoje nem que seja pra despejar minha ansiedade no transport. Caso consiga sair de casa, vou levar minha ecobag na bolsa da cadimia e passo no supermercado depois. Preciso repor alguns víveres essenciais, como requeijão, leite desnatado, red bull, coca zero e água com gás. Pão e miojo tem pra caralho.

Adoentada

Estou espirrando e com o nariz entupido desde a chuva que peguei no sábado. Hoje acordei com os olhos ardendo e dor de cabeça. Será que vou ficar dodói? Ai, não seria mal ficar acamada por uns dias sentindo pena de mim mesma.

domingo, 7 de março de 2010

Dei defeito

Minha chatice atingiu o nível máximo. Acho que vou dormir ou ler os 438 truques para agarrar seu homem da Nova deste mês. Nem eu tô me aguentando.

Agenda lotada

Já tenho eventos agendados para quase todos os dias desta semana. Na verdade, não agendei, mas pré-combinei mais coisas do que vai dar tempo de fazer.

Vou só dizendo 'a gente toma uma caipirinha semana que vem. Vê o melhor dia e me escreve'. Quando vejo marquei com 5, 6 pessoas e não vai dar. Tão na lista Caipirinha das Meninas, Pizza das Amigas, Cerveja das Mulheres Loucas, Jantinha do Grupelho e Cine+Chope das Mulheres. Acha pouco? Disse pra Adriana que passava na repartição dela pra um café, convidei duas amigas pra tomarem sorvete no meu studiô e combinei ir na cartomante com outra amiga. Não marquei dia certo, mas disse que era essa semana. Claro, em algum momento preciso levar a roupa na lavanderia que acabaram os lençóis limpos, passar na costureira, pegar meus óculos escuros que deixei para consertar e ir ao supermercado que carestia se instalou na minha geladeira.

E olha que jurei pela terra vermelha de Tara que voltava pra cadimia essa semana, afinal, o projeto Quarentona Toda Boa não pode parar. É, juras só servem para ser quebradas.

Sabe o que eu acho?

Que a gangue das mulheres loucas tá precisando se reunir mais. Convoco para jantinha no Peixe esta semana.

Felinos

Almocei na casa da minha mãe hoje. Na verdade, acabei chegando lá quase 5h da tarde. A preguiça estava poderosa. Queria mesmo era ficar deitada olhando para o teto ou sentar em algum bar e pedir uma caipirinha. Tudo bem, precisava mesmo ir.

Pouco depois das 19h chegou amiga Mila, minha personal veterinária. Olha, vou te dizer, a Mila é maravilhosa. Em pleno domingo de preguiça, saiu de Niterói, se despencou para o Grajau para vacinar meus gatos. E não é negócio de 2 ou 3 gatinhos não. Hoje foram 15. A pobre saiu de lá fatiada pelas unhas dos bichanos e com um mordida na mão. Acha pouco? Ainda me trouxe em casa antes de voltar pra Nikiti. Mas quer saber quem é gente boa merrrmo? Namolito! Namolito fez o frete dela, preparou as vacinas e ainda aturou minha mãe maluca enquanto a gente tocaiava a gataiada. Eu fiquei com pena, mas fazer o que? Minha mãe adora quando aparece um desavisado pra alugar. É dura a vida de namorado de veterinária gateira.

Eu queria trazer dois gatinhos pra casa. Ia pegar a Triquinha e o Ruivinho pra passarem uns dias comigo. São dois bebês deliciosos que estão com adoções engatilhadas. O negócio é que o Ruivinho tá meio caidinho, tá magrinho, não tá desenvolvendo. A irmã trica já tá quase com o dobro do tamanho dele. Daí como não quis separar os dois... não veio nenhum. Acho que por isso que tô meio chatinha, fiquei triste e tô com saudade deles. Tava crente que ia dormir com dois gatinhos peludos ronronando na minha cama. Saudade de ter felinos em casa. É difícil ser feliz sem gatos.

Como disse Chefinho certa vez, pra ser feliz a gente só precisa de amigos e um gato. Na verdade, isso é o que importa. Tô precisando de um felino em casa. Eles iam ficar de hóspedes, mas já era uma alegria peluda na minha vida.

É tão bom ser amada!

Mal postei que tava chocha meu celular tocou. Janine ligou pra me alegrar, saber das últimas, partilhar a ansiedade e dizer pra eu não ficar chochinha. Ela me deu uma notícia sensacional: entrou fotos antigas nossas! Vai digitalizar e me mandar. Quase não tenho fotos antigas, as poucas vieram justamente do acervo de amigos. Adorei, alegria, alegria.

Férias confirmadas

Com o temporal de ontem acabei não encontrando menina Krakovics, mas conversamos por telefone hoje. Decidimos manter nossa viagem, apenas com algumas mudanças no roteiro. Dia 23 de abril partimos pro Chile e voltamos dia 12 de maio.

Krako é ótema companheira de viagem, nos damos muito bem e nos divertimos juntas. Já estou ansiosa e daqui a pouco vou entrar no modo 'só penso nas férias'. 

Lotou

Diz por aí que o barquinho pra Iemanjá já tá lotado. Vamos providenciar muito espelhinho e flores pra Janaína não nos devolver nenhuma das oferendas. Sai oferenda!

Sabe uma coisa que me cansa?

Gente que não sabe ser feliz.

Chata

Minha chatice está galopante, a cada instante me sinto mais entojada. Pro mau humor é um pulo.

Acabou a coca zero

Acabei de chegar da casa da minha mãe. Arrumei a casa, troquei de roupa e só então percebi que acabou a coca zero. Não tenho disposição para descer e comprar meu precioso líquido negro, mas também não consigo ser feliz sem ele.

Que merda.

Talvez...

A vida parecesse mais divertida se eu gostasse de jogar Farmville. É duro quando nem o Feice te diverte.

Chocha

Não sou disso, mas talvez seja bode de domingo. Talvez seja apenas tédio. Talvez descontentamento.
Diz por aí que não sei ser contrariada e fico chata quando as coisas não saem como quero e hoje nada saiu como eu queria.

Não sei, sabe?

Foda-se também.

Desejos II

Ontem eu queria bobó de camarão e comi, mas à noite queria pizza e não pude comer.

sexta-feira, 5 de março de 2010

Desejo

Vontade de comer pastel!

Ressaca, teu nome é Roberta

Não dá pra beber com os cálega meio de semana, deu no que deu. É grave a crise quando três pessoas da mesma equipe estão de ressaca. Sim, a repartição está prejudicada.

Esta semana bebi todos os dias e pretendo seguir assim pelo menos até domingo. Ainda não tô aceitando convites para próxima semana.

Atualização do meu inventário de presentes

Flores e pilhas, do meu Chefinho
Guarda-chuva de Gato Félix, da Danielouca
Lata de Betty Boop, da Gisele
Caneta Corretiva Bourjois, da Idoca
2 livros, do Júlio
Brusinha, da Patrícia
Enfeite de gatinho, da Raquel


Os brincos que eu estava usando ganhei na terça, do Cleser

Teve gente dizendo que vai fazer um blog pra ver se ganha muito presente também. Ah, mas pra isso tem que ser maravilhosa como eu! Rá!

Chope dos leitores/2ª chamada do meu aniversário

Tô na maior rebordosa, então divirtam-se com as fotas:

Chope dos leitores, março 2010

Adorei tudo, adorei todos terem ido, adorei os presentes.

Flores e pilhas

 
Presente do Chefinho

quinta-feira, 4 de março de 2010

Inadimplente

Tô com as prestações do Baú da Felicidade atrasadíssimas, preciso tomar alguma atitude!

E as minhas férias, hein?

Eu ia para o Chile mês que vem, mas parece que o país desabou, né? Será que trocar pela Bolívia é uma boa ideia? KKKK

A última de Chefinho

Na fila do almoço, ele vira e dispara "E aí, como vai o consumo de pilha lá na tua casa?".

Pândego.

Ave Dona Bethania!

Quer saber? Chegar em casa e encontrar lençóis de branco imaculado esticados na cama, toalhas limpas e dobradas no banheiro, roupa passada e cheirinho de limpeza pela casa paga o abuso de dona Bethania em criticar meu estáile. Perdoo até ela nunca acertar arrumas as coisas - almofadas, pratos, copos - do jeito que encontrou. Só quem já faxinou a própria casa sabe como é bom encontrar tudo limpinho e não ter tido nada a ver com isso.

Dona Bethania

Sabe como a gente descobre que tá dando trela demais pra faxineira? Quando ele começa a te fazer patrulhamento estético sem o menor pudor. Hoje de manhã Dona Bethania chegou mais cedo que o habitual e eu ainda tava terminando de me arrumar. Peguei as botas marrons para calçar e ela gargalhou "Você vai de bota nesse calor?". Fiquei sem graça e respondi "É, esquentou né?". Guardei as botas e calcei sapatilhas. Ela ainda tripudiou "Pode faze o frio que for, aqui é sempre quente". Não acho meu apartamento especialmente quente, ela que tem fogo no rabo. Quer saber? Tô com frio nas canelas e queria estar de botas. Sem falar que ficariam lindas com o belíssimo vestido xadrez roxo, com a gola toda trabalhada no babado, que estou trajando. Lástima!

Vou dar um corretivo em Dona Bethania, deixa a bruta comigo.

Meus fãs

Certa sexta-feira do pré-carnaval desencontrei de uma companhia masculina em um bloco. Cansada de levar beliscões, fui pra Lapa tomar uma cervejota na Casa da Cachaça enquanto pensava no que fazer da vida. Tô no celular com uma amiga quando um ser bizarro - um negão acima do peso, ligeiramente passado na idade e esteticamente esquivocado - pede pra sentar na minha mesa. Fiz que sim com a cabeça e continuei o papo no telefone. O bruto sentou e desandou a falar sei lá o que, ignorei. Nisso, vejo minha companhia masculina extravisada passar pela Mem de Sá com cara de companhia masculina extraviada. Chamei pelo nome, na terceira vez ele ouviu, já ia passando direto. Veio e sentou comigo, com a mesma cara de companhia masculina extraviada.

Enquanto avisava à minha interlocutora que ia desligar, ouvi parte de um diálogo non sense, onde o negão trololó explicava ao moço extraviado que "pô, gostei da mulher, mas ela não largou o telefone! Daí você passou e ela chamou "Fulano, Fulano". Gostei da muher, mas ela chamou "Fulano". Fica aí Fulano". Dito isso, levantou e foi.

Sim, o mundo é estranho e eu já tinha até esquecido o episódio. Daí que ontem passei no supermercado na volta da repartição para comprar material de limpeza, pois hoje era dia de faxineira. Tô chegando em casa, meio puta carregando a tranqueira na chuva qndo alguém tenta pegar as sacolas da minha mão. Tomei um susto. Adivinhem? Sim, era o negão trololó!

- Deixa eu te ajudar! Deixa eu te ajudar!
- Não!
- Deixa eu ajudar, deixa eu levar as sacolas!
- Não, não precisa!

Tive que segurar firme as sacolas que ele tentava tomar da minha mão. Ele caiu na gargalhada e foi embora. Deve ser meu vizinho. Só me faltava essa agora.

Confissão

Tô felizinha.

Todo dia tem função no circo

Ando animada. Já escrevi e programei posts no HTP para a próxima semana. Rá!

É hoje!

Chope dos leitores + 2ª chamada do meu aniversário, a partir de 19h, no Boteco do Gomes. Te vejo lá.

quarta-feira, 3 de março de 2010

A Repartição

Recebi hoje a agenda brinde da repartição. Sim, entregaram nossas agendas no dia 3 de março. Super em dia, né? E super útil, nem vai virar entulho na gaveta.

Sono, teu nome é Roberta

Tô um bagaço, não devia ter vindo trabalhar. De manhã tava com uma cólica inegociável e quase inédita. Me dopei de Buscopan e saí de casa. Agora, depois do almoço, com todo os butilbrometo de escopolamina que já mandei pra cabeça tô morrendo de sono. Quero dormir mais que qualquer coisa na vida.

É, acho que meu retorno à academia vai ser adiado mais uma vez.

Quando eu não blogar

Vocês podem se divertir lendo os blogs dos meus amigos.
Aí ao lado tem uma lista com vários ótimos, embora alguns estejam um pouco abandonados.
Indico, especialmente, Mães de Felinos, da Bela, e o Sublime Sucubus, da Carrie.

Claro, Narinha é a melhor, mas pouco atualiza seu Bulhufas.

terça-feira, 2 de março de 2010

Há banho quente!

Cunhadão e irmã acabaram de sair daqui. Ele consertou meu chuveiro, a porta do armário que tinha despencado e ainda ajeitou mais umas coisinhas. Minha irmã que é esperta e sabe escolher homem, tratou de arrumar um que presta pra alguma coisa. Tirando o defeito de ser vascaíno, adoro meu cunhadão!

Rabiscada!

O tatuador já recebeu o desenho do próximo rabisco, entregue por A Noiva. Ele vai aumentar, adequar e marcar a data. Em breve terei desinhinho novo... lálálá...

E o melhor, no dia que ele fizer essa - que é pequena - vai medir minhas costas pra desenhar a grandona. Lálálá....

E as fotas do aniversário

Vocês viram?

21 fev 2010


Cansei desse negócio de sobe foto pro Orkut, sobe foto pro Feice. Tá tudo no Picasa.

Fotasssss

Finalmente apareceram as fotas do desfile do Império! Acho que não tô em nenhuma dessas, mas lembro de ter posado pra várias.

Olha que linda estava a Ala dos Devotos de vendedores de orações.

Mas Roberta, por que vc virou nova pobre?

Porque num arroubo de maluquice, na sexta-feira antes do carnaval, comprei um apartamento num prédio ainda construção. Sim, sou trololó. Daqui a supostos 18 meses serei a feliz moradora e proprietária de uma unidade no Soul da Lapa Residências, mas agora estou endividada e condenada à pobreza até agosto de 2011, no mínimo.

Vou passar 18 meses sentada na minha cama no studiô, vendo TV aberta, bebendo água da bica e comendo miojo, porque não vou ter dinheiro pra nada. O Orientador me mandou descer da cruz que tem gente precisando da madeira e dos pregos pra fazer barraco, que só como miojo se quiser porque tenho casa, tenho amigos que me amam e me alimentam.

***

Bom, então tá. Vou passar 18 meses pegando a "janta" na casa dele. De repente, até entrego o studiô e me mudo pro escritório (meu quarto na casa dele). Com o que economizaria do aluguel+contas da casa+faxineira daria até pra comprar um sapatinhos novos.

Rimos, me imaginando dando ordens para Dona Olívia, a empregada. Olha, tira esses aquários daqui e traz aquele armário que tá na sala, ninguém usa mesmo e minhas roupas tão apertadas nesse armarinho daqui. Olha, Vamos tirar um pouco desses livros daqui tamabém, sabe? Por mais que se limpe, sempre junta poeira e tá me dando alergia. Ninguém precisa de tanto livro, que palhaçada! Será que a biblioteca comunitária de Copa aceita? Dona Olívia, liga pra lá e providencia, por favor. Se eles não quiserem coloca na escada que o porteiro recolhe.

Aí quando o apê fosse entregue, eu avisaria "Olha, pensei bem e não faz sentido me mudar. Já fiz minha vida aqui em Copa, tõ super bem instalada... melhor alugar esse apartamento e guardar o dinheiro pra gente gastar na Europa em janeiro. Já que vou ficar por aqui mesmo, melhor a gente mandar pintar, dar uma reformada naquele quarto. Aliás, não faz mais sentido ser escritório, né? Vamos passar as estantes pra sala e fazer uma decoração mais como a minha cara".

O Orientador e eu adoramos rir juntos imaginando essas cenas.

Falar em sapatinho novo

Confissão de nova pobre: fui na Pele Rara ver a coleção nova, mas tratei de ir quando já tava fechada. Fiquei lambendo a vitrine da filial de Copa, a minha favorita. Se estivesse aberta eu não ia resistir. A gerente e a vendedora me conhecem, iam me puxar pra dentro, trazer sapatinhos maravilhosos pra eu experimentar, me mimar, me adular, dizer que tava lindo e perfeito no meu pé, que só tinha aquele e que eu não podia continuar respirando sem possuir aquele sapato. Aí dariam o golpe final e diriam que parcelavam em um milhão de vezes e eu ia capitular, mesmo não parcelando em um milhão de vezes, 3 bastam.

Cobiço uma versão marrom&bordô de um modelo que tenho em preto&cinza. Claro, é o modelo mais caro da loja. Não é nenhuma fortuna, mas no momento não posso me dar a este pequeno luxo. Por que que eu sou orgulhosa, hein? Minha irmã perguntou o que eu queria de aniversário e respondi "o que vc quiser me dar". Ganhei um caralho de livro com páginas despencadas. Podia ter ganho o sapato. Vou perguntar pra ela se ainda tá em tempo de mudar de ideia.

Pouca sorte

Ontem, como a internet tava um cocô e meu telefone fixo tava mudo, resolvi ler o livro que ganhei de presente. Quando abri caiu um chumaço de páginas. Putaquepariu. E agora, José? Leio as páginas soltas e guardo o livro na estante ou levanto minha bunda e vou até a Livraria da Travessa trocar o caralho do livro?

A merda é que a livraria fica na Rua Sete de Setembro. O que é que tem mais na Sete de Setembro? Pois é, o Shópi Vertical. Aí que mora o perigo. Se eu entro for lá não vou resistir. Vou dar mais uns passinhos e me jogar no meu templo de consumo. Vou entrar na Maria Filó e na Farm, vou ver a coleção nova e vou me endividar. Se bobear, ainda passo na Sollas e na Via Mia pra uns sapatinhos novos.

Horror, horror, horror. Não posso. Estou previamente falida pelos próximos 18 meses. Não posso comprar nem mariola. Ai, é muito dura essa vida de mulher alijada da cadeia de consumo. E o consumo como lazer, como estilo de vida, como fica? Como eu fico sem sapatinho novo?!

2º dia consecutivo de banho frio

Confesso que houve um embate terrível entre meus princípios religiosos, que não permitem a imersão - mesmo que parcial - do meu delicioso corpinho na água fria, com meus hábitos higiênicos adequados, que não me permitem sair de casa sem tomar banho.

Negociei e acabei tomando banho só de pé e não de pé&cabeça. Sim, tomei banho frio, mas não lavei o cabelo. Hoje eu troco aquela merda daquela resistência.

Professora Roberta

Acho que fechamos as datas: vou dar, digo, ministrar - que não sou mulher de dar assim - aulas de 14 de junho a 19 de julho, às segundas, e de 9 a 25 de agosto, às segundas e quartas. Sempre à noite, das 19h às 22h.

Sabe, adoro o número da professora Roberta. Ainda não é o meu melhor - como o da blogstar ou da mulherzinha intragável - mas também gosto. Adoro ser o centro das atenções, a estrela máxima ali, com a turma caladinha pra me ouvir.

Mas, ao mesmo tempo, mal concordei com os horários e já estou semi-arrependida. Sei que vou gostar, mas só de pensar em sair da repartição, ir pra Uerj, tagarelar e sorrir até às 22h... dá uma preguiça.

Sem falar na função prepara-aulas. Doloridíssima, sabe? Vou de véspera, direto da repartição, para a casa de O Orientador. A gente cozinha e enche a cara de vinho. Daí quando já tamos meio bêbados, sentamos no computador e fazemos um power point com os pontos que vou abordar e espanamos rapidamente cada um. Missão comprida e cumprida. Sorrimos e nos regozijamos de como a vida é bela, como somos ótimos e como é maravilhoso termos nos encontrado na vida. Largamos o computador e vamos pro sofazão, falar da vida alheia ou ver TV e comentar os programas. Eu juro que não sei preparar aulas sozinha. Se ele tenta me dar um perdido eu choro e tudo. Claro! vou perder a chance da nossa jantinha maledicente semanal?

Depois vamos dormir bebinhos no cu da madrugada. No dia seguinte acordo sonada e vou pra repartição sem saber muito bem meu nome. Encho os cornos de café o dia todo e à noite vou dar, ops, ministrar aula. Saio da Uerj 22h, pego um ônibus pra Lapa. Claro que não rola ir pra casa dormir: tô pilhadíssima porque dar, ops, ministrar aula ainda é novidade pra mim e fico excitada. Me jogo no bar e bebo até o cu da madrugada. Acordo sonada no dia seguinte e vou pra repartição sem saber bem meu nome...


***

Tá, tá. Acabou palhaçada: eu confesso. Acordo sonada e vou pra repartição sem saber muito bem meu nome todos os dias, encho os cornos de café e resmungo a manhã inteira, tenha bebido ou não. Diz Mendonça que ando bebendo muito. É invejas, porque ele não é mais meu companheiro preferencial de copo. Dor de cotovelo, sabe?

segunda-feira, 1 de março de 2010

Pouca sorte

Meu telefone fixo tá mudo e a internet está lerdíssima. Acho que vou desligar tudo e ir pra cama ler.

Chope dos leitores + 2a chamada do meu aniversário

Resolvi que já é hora de retomarmos a tradição milenar do Chope dos Leitores da Roberta. Como sou generosa, decidi aproveitar a ocasião para dar outra chance a quem não foi no meu aniversário: também será uma 2a chamada para quem perdeu a comemoração no dia 21 de fevereiro.

Então é isso aí: voltamos a beber toda primeira quinta-feira de cada mês, no horário e lugar de sempre. Vejo vocês no dia 4 de março, 19h, no Boteco do Gomes. Não venham de novo me perguntar onde fica o Boteco do Gomes, porra.

Estou ótema!

Tomei um carro de praça para voltar pra casa. Não tava com saúde pra me acotovelar com gente feia pra entrar no 497. A vida será belíssima quando eu puder me dar ao luxo de ir e voltar da repartição de táxi todos os dias.

Tomei banhinho quente na casa da Ju e jantei macarrãozinho que eu mesma fiz! Tá, ele tava esquecido na geladeira há uns 3 ou 4 dias. E daí, né?

Ainda comprei a resistência do chuveiro e vou tentar trocar so-zi-nha. Se eu conseguir vou ficar muito feliz.

Ah, convidei a gangue pra comer pizza e tomar cerveja aqui em casa. Tomara que as loucas venham. Queríamos mesmo era ir no Peixe, saudade daquela sardinha frita com aquela cerveja gelada, mas com essa chuva não rola.

Ih, agora lembrei que só tenho dois pratos. Hmmm... tudo bem, em nível de anfitriã eu como no prato de sobremesa e elas no prato raso.

Tô melhor

Depois do almocinho podre com coca zero e café expresso sempre melhoro.
Até me animei. Tenho uma confissão sórdida e inconfessável para fazer, mas tô regulando porque sei que a gangue vai me botar de joelho no milho e me dar mil chibatadas.

Desgraça pouca é bobagem

Ah, sim. O dia começou bem mesmo. De manhã quando abri o chuveiro ele fez foguinho e queimou. Tomei banho frio, prática que fere meus princípios religiosos.

Será que piora?

Piooooooooooooooora!

Quando abri a porta da repartição tava um bafo do capeta: desligaram o ar condicionado.

Acha pouco? Sou a única jornalista no recinto. Achei que a caléga de férias voltas hoje. Humpf. Só amanhã. A outra tá doente.

Para tornar a vida perfeita tô com fome não tem ninguém para almoçar comigo. Chefinho saiu pra fazer um exame. Vou sair na chuva pra enfrentar fila e comer comida podre.

Mas sabe o que é pior?

Atravessar a passarela com guarda-chuva e sacola, na chuva de vento e com idiotas que não sabem segurar guarda-chuva te esbarrando.

Hoje é realmente um dia pior que os outros.

Estraga prazer

Sempre que saio da ortodontista vou à farmácia. É uma espécie de compensação: adoro farmácias. É conveniente porque na Praça Saens Peña tem quase uma do lado da outra. Uma delícia. Acho uma lástima que na Lapa só tenha farmacinha muquirana. Faz falta uma Onofre, uma Farmalife ou, no mínimo, uma Drogasmil ou Raia. O melhorzinho que temos é uma Pacheco no Bairro de Fátima, o que não adianta praticamente nada. Não sei se já comentei, mas deambular pela farmácia faz feliz.

Pois bem, saí do consultório com os dentes latejando e me joguei na Venâncio mais próxima. Peguei logo uma cesta grande, porque ia comprar muito. Quero nem saber se o pato é macho, quero é mais remedinho, creminho, escalda-pés, hidratante e sei lá mais o que me pareça poder aplacar minha dor.

Fui feliz, mas depois andar até o ponto do 665 equilibrando o sacolão de compras e o guarda-chuva me aborreceu. Pior ainda fuçar a bolsa atrás da carteira e contar os R$ 2,35 da tarifa. Que se foda, vou dar R$ 5. Passei na roleta e sentei atabalhoada pra colocar o guarda-chuva no saco plástico, guardar na bolsa, arrumar meu vestido porque não gosto de pagar coxa no ônibus, ajeitar a pashmina que me escorria dos ombros, guardar o troco na carteira e tentar reaver alguma dignidade. Acabei jogando tudo na sacola da farmácia. Merda.

Odeio quando um prazer tão básico e justo quanto o de comprar produtos de farmácia é atrapalhado.

A Ortodontista

Em outros tempos eu a classificaria com adjetivos não muito lisonjeiros, mas agora que sou uma blogstar tenho medo que ela leia e aperte o aparelho mais ainda. Digamos apenas que ela é uma torturadora bem vestida.

Estou no fim do tratamento, mas esse fim não chega nunca. Estamos verticalizando os incisivos - pra eu deixar de ser dentuça - e alinhando os cisos. Daí, supostamente, terminou.

A verticalização tá indo bem. Dói pra caralho, mas anda. Ela lixou mais os dentes hoje e eu quase chorei. Eles já tavam doloridos, imagina a delícia da lixa passando entre eles? Pois é. Tem também o carinho do arco mais grosso, aquele que chega a ser retangular. Pra ela tirar e colocar tem que usar o alicatão e... dói pra caralho.

O negócio é a caralha da borracha que deveria alinhar os cisos. Aquela merda incomoda horrores e não tá dando no couro. Hoje, pra turbinar o tratamento, ela meteu duas borrachinhas do capeta entre meus molares, pra botar pressão. Para meu deleite, ela me forneceu novo lote de borrachas mais grossas e resistentes.

Isso tudo levou cerca de uma hora. Não, não foi gostoso.

Inapta para mastigação

Hoje de manhã apertei o aparelho. Não, não é auspicioso apertar o aparelho às 8h30 da manhã de uma segunda-feira chuvosa. Acabei de tentar mastigar um "lanche" e não logrei êxito na missão. Engoli pedaços inteiros. Almoçarei papinha, o que não vai ajudar em nada meu humor.

Sim, acordei no cu da manhã, peguei um 409 pra Tijuca, fui torturada por quase uma hora e saí com os dentes latejando pra encarar um 665 para a repartição. Sempre gostei de andar de ônibus, sabe? Gostei do verbo não gosto mais. Agora odeio. Gostava quando não trabalhava das 9h às 17h num lamaçal.

Sabe, eu seria menos infeliz no trabalho se houvesse infraestrutura, condições dignas para chegar e sair. Eu odeio pisar em lama. Odeio mais ainda que os responsáveis pela manutenção da repartição não se importem que as pessoas precisem pisar na lama para chegar em suas salas. Olha que não tô nem reclamando do ponto de ônibus alagado e da passarela fedida, tô falando da imundície intraportões.

Hoje não é um bom dia

Estou mal humorada e tenhos todos os motivos do mundo para isso. Mesmo que não tivesse, o humor é meu e ninguém tem nada com isso. Fodam-se.

Já tem programa pro aniversário da cidade?

Meu amigo queridíssimo, o professor João Baptista Ferreira de Mello preparou 3 Roteiros Geográficos para comemorar os 445 aninhos da Mui Leal e Heróica Cidade Maravilhosa de São Sebastião do Rio de Janeiro.

Normalmente se faz inscrição por e-mail com antecedência, mas como é daqui a pouco, dá uma ligada antes ou vai na cara de pau. Diz que é meu amigo que eu garanto, tenho moral nesse botequim. ;-)


1) As Catedrais de São Sebastião do Rio de Janeiro
Encontro às 9h30 em frente à Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos (Rua Uruguaiana)

Itinerário: Igreja das Irmandades Negras de Rosário e Benedito (abrigou a Catedral de São Sebastião entre 1737 e 1808), templo no qual a Corte Portuguesa agradeceu a viagem bem sucedida em março de 1808 e, mais tarde, tornou-se sede da Câmara – Rua da Vala/Rua Uruguaiana (metrô do Rio de Janeiro) - Rua do Rosário – Igreja de Santa Cruz dos Militares (abrigou a Catedral de São Sebastião de 1734 a 1737) – Rua 1º de Março – Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé e do batizado de Isabel de Bourbon e Bragança (abrigou a Catedral de São Sebastião de 1808 a 1976) – Rua Sete de Setembro (antiga Rua do Cano) – a requalificação da Rua da Quitanda – Rua São José – Largo da Carioca – Esplanada de Santo Antônio – Catedral Metropolitana de São Sebastião do Rio de Janeiro (sagrada ao final dos anos setenta)

2) Descortinando as geografias do Catete, Flamengo e Glória
Encontro às 15h, no alto do Adro da Igreja de Nossa Senhora da Glória

Itinerário: Igreja da Glória (visita) – Plano Inclinado - Praça do Russel – Memorial Vargas (visita) - Flamengo (Uruçumimim dos indígenas e Henriville da França Antártica) - Castelinho (visita) – Rua Dois de Dezembro, Travessa Pinheiro, Rua Machado de Assis, Galeria do Cinema São Luis - Largo do Machado, Rua Bento Lisboa - Rua Artur Bernardes - Rua do Catete – Museu da República (antigo Palácio do Governo Federal)

3) Caminhando entre luzes no Centro do Rio à noite
Encontro às 20h30, nos degraus da Casa França-Brasil

Itinerário: luminoso Centro Cultural Banco do Brasil – França-Brasil do Rio joanino – Igreja Nossa Senhora da Candelária, fonte de luz e de fé – o iluminamento do Centro Cultural dos Correios – rua Primeiro de Março – o foco de luz distante e permanente do antigo senado e da Catedral de Benedito e da Senhora do Rosário – o diálogo do Rio colonial com a cidade maravilhosa – o varandão do Centro Cultural da Justiça Eleitoral - Rua do Ouvidor, logradouro inicial da iluminação a gás e da energia elétrica no espaço coletivo carioca, de Machado de Assis e Chiquinha Gonzaga, bem como dos primeiros acordes do carnaval carioca, das lutas pelo abolicionismo e a república e das confeitarias e lojas elegantes – o brilho das estrelas Cármen e Aurora Miranda no sobrado da Travessa do Comércio – o iluminamento da antiga Catedral da Sé/Igreja do Carmo – de volta à claridade do Convento dos Carmelitas – Paço Imperial e da luminar Isabel de Bourbon e Bragança – os refletores sobre Tiradentes e Alerj – o brilho e o requinte dos antigos Ministérios da Fazenda, do MEC e a austeridade do Ministério do Trabalho – Luzia dos Santos e geográficos olhares (de Fernão de Magalhães aos aterros que a afastaram do mar) – a Academia Brasileira de Letras - as novas torres da Esplanada do Castelo - o universo de extrema luminosidade da Cinelândia e seus majestosos prédios – a iluminância do jovem Theatro Municipal e da Biblioteca Nacional, o boêmio Amarelinho, a Câmara dos Vereadores/Palácio Pedro Ernesto, o Centro Cultural da Justiça Federal, o eterno e resplandescente Cine Odeon – Metrô, uma sentinela luminosa a nos conduzir por lunares e ensolaradas geografias.

Todos os roteiros são à pé e gratuitos. Se estiver chovendo serão adiados.

As inscrições podem ser feitas pelo telefone 8871-7238 ou pelo e-mail roteirosgeorio@uol.com.br. A iniciativa faz parte do Projeto de Extensão Roteiros Geográficos do Rio, do Instituto de Geografia da UERJ.

Os Roteiros agora têm site, blog e tão no twitter @roteirosgeorio. Meu amigo JBFM tá luxando!


***

Se eu pudesse iria aos três, mas como sou moça trabalhadora que dá expediente na repartição das 9h às 17h, vou tentar ir no da noite. Sou doida pra fazer esse do Catete, bairro onde fui criada. Ia adorar percorrer os lugares da minha infância ouvindo JB.

Quando eu crescer quero ter a disposição de João Baptista, que dá aula, orienta, tem quilos de bolsistas, vai ao samba, aos concursos de miss, é fã da Marlene, manda e-mail de madrugada lembrando o aniversário da Virginia Lane e ainda faz 3 roteiros à pé em honra e glória ao Rio de Janeiro. Quem acha que eu tenho disposição não conhece JB!

Para quem não sabe, JB foi meu professor no mestrado e mudou meus rumos acadêmicos (ele adorou ler isso nos agradecimentos da dissertação). Meu projeto era sobre cinema e cidade até eu conhecê-lo. Daí me joguei no samba e minha vida nunca mais foi a mesma. Obrigada, meu querido.

Atualizações no inventário de presentes

Hoje ganhei uma camiseta azul toda trabalhada no paet, como diria Janine, e um par de brincos.

Ué, mas você não tinha um date hoje?

Tinha, do verbo tomei bolo. Pode dizer "bem feito".

Acabei de acordar

Merda. Tava morrendo de sono, cheguei da casa da minha mãe por volta de 20h, tirei a roupa e me joguei na cama. Acordei de fome há pouco e agora, um queijo quente depois, não consigo dormir de novo.

Merda, merda. Antevejo uma segunda-feira de muito mau humor.