segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Péssimo humor

Ontem um amigo me disse que talvez eu ande brigando com as pessoas porque tenho praguejado pouco no blog. Ele disse que adorava ler meus ataques de fúrias, que eram ótimos e engraçadíssimos. É pode ser. E como o blog é meu e nele escrevo o que quiser e bem entender, assim como lê quem quer, vou me entregar ao democrático exercício de expor meu ódio.

Eu odeio a minha vizinha.

Seria perfeitamente lícito que eu a odiasse por ela ser feia e cafona. Claro! Gente feia e cafona faz do mundo um lugar pior de se viver, além de ofender minha beleza e bom gosto. Como odiar não paga imposto, não é contra a lei, não muda a vida de ninguém, posso odiar qualquer um pelo motivo que me aprouver. Eu podia odiá-la também pelo cabelo comprido amarelo enxofre, se bem que isso se enquadra no quesito 'cafona', embora chama mais a atenção. Sim, eu poderia odiá-la simplesmente porque acordei com vontade de odiar alguém e ela foi a primeira que me veio à cabeça. Poderia, mas não é o caso.

Eu odeio a minha vizinha porque além de feia, cafona, sórdida e burra, hoje ela me acordou ouvindo música evangélica muito alto. Na verdade, eu já a odiava antes, porque ela sempre ouve música de merda (estilos variados, a desgraçada é 'eclética') muito alto, não raramente cantando junto com aquela voz escrota de gasguita. Sim, a vagabunda além de tudo fala esganiçado. Não sou obrigada a partilhar o gosto musical ou a falta de talento vocal de ninguém. Ela fala muito alto e isso é uma coisa que sempre me deixa irritada: odeio gente que fala alto. Ela grita, brigando com os filhos igualmente feios e burrinhos (ninguém naquela casa prima pelo apreço à língua portuguesa). Obviamente mal-educados, afinal, são filhos dela, eles também gritam o tempo todo. Eventualmente, ela espanca os rebentos aos berros de 'desgraçado, vou te arrebentar' e os remelentinhos choram e gritam, o que também me aborrece. Ela podia ser higiênica e os amordaçar neste momento de congraçamento familiar.

Já registrei reclamações no livro de ocorrências do condomínio e já fiz queixas à síndica, que disse que ela era uma pessoa muito séria. Respondi "séria e mal educada". Caguei pra seriedade dela, desde que seja sem gritos ou música alta. Ao saber da minha reclamação ela gritou "na minha casa eu falo como eu quiser". Tudo bem.

Como acho que ela não vai fazer a gentileza de falecer hoje mesmo, serei obrigada a tomar outras atitudes. Primeiro, vou anotar outra reclamação no maldito livro. À noite, vou à casa da síndica reiterar meus protestos e solicitar o contato do proprietário do apartamento para que eu possa fazer uma queixa formal. Depois, vou à imobiliária do meu apartamento fazer uma queixa formal e exigir que eles entrem em contato com a síndica e o proprietário do apartamento ao lado ou me mudo. Eles não querem que eu me mude, o apartamento ficou vazio mais de seis meses, não conseguiam alugar porque o valor pedido é acima da média e, sinceramente, caro pro que é. Além disso, nunca atrasei o pagamento.

Também vou registrar queixa na delegacia aqui em frente, pois ela não pode ouvir música alto à 1h da manhã, como já ocorreu. Bom, daí aproveito o embalo e, na próxima vez que ela resolver dar um corretivo nos pirralhos ligo pra Delegacia da Criança e do Adolescente. Também posso denunciá-la em alguma espécie de Conselho Tutelar, né?

Hmmm, vou pensar outras coisas pra fazer denúncias. Posso ligar pra CEG e dizer que acho que tá vazando gás de lá, talvez para a vigilância sanitária por causa da comida fedida que ela faz.

Se nada der certo, enquanto procuro apartamento para me mudar, vou passar a ouvir pontos de macumba em último volume antes de sair para o trabalho e cutucar as paredes com um cabo de vassoura no meio da madrugada pra ver se ela acha divertido. Ah, também posso passar a causar contrangimentos, como dizer coisas desagradáveis para os filhos dela no elevador.

Claro, eu poderia ser mais higiênica e simplesmente pagar 200 dinheiros pra um guardinha encher aquela vadia de porrada, mas daí eu não me divertiria, né? Bom, só se eu pedir ficar olhando....

24 comentários:

Renata Saintive disse...

hahahah...
Eu tinha uma vizinha, apesar dela ser muito querida, q tinha um PESSIMO habito de ligar sertanejo (eu detesto sertanejo!) no ultimo volume aos domingos comecando as 10 da manha e terminando depois das 2 da tarde... era uma tortura chinesa.. especialmente depois de um sabado regado a vodca... ninguem merece!

Roberta disse...

Ela era querida? Querida morta, né?

Vinícius (vincardoso@yahoo.com.br) disse...

Roberta, você quer que ela se mude? rs.Faça um despacho na porta dela. Mas um "senhor" despacho, com farofa, garrafa de cerveja ou cachaça (não precisa desperdiçar, coloque água na garrafa), vela, etc.

Acredite, no meu prédio tinha uma vizinha que achava que Deus era surdo. Fiz isso uma vez e deu certo. Deus passou a ter bons ouvidos. Boa sorte!

Dona Mila disse...

hahahahaha, adorei! A idéia do despacho é ótima, já funcionou comigo. Beijos!

paulinhaaa disse...

MEDO de vc...

Mas gostei da idéia do despacho kkkkkkkkk

Helga disse...

HAHAHAHAH PQP, despacho na porta! Sensacional!! hahahah

Enfins, Rô (sente a intimidade), massa tu empregando tua ira em algo útil. :)

guetoblaster disse...

ora que melhora ! ora pra visinha se mudar pra europa. o meu visinho de cima que tocava bateria. mandei um set de oração que se mudou para a europa.

Pri disse...

Ué!! Será que moramos no mesmo prédio ou vizinhas desse "naipe" estão se proliferando feito baratas??
Estranho, muito estranho...

***GrAzI disse...

Hoje mesmo cheguei pensando em escrever um post sobre a minha vizinha.. rsrsrss... Mas agora que li o seu faço do seu desabafo o meu! rsrsrs... A minha além de tudo (mau gosto, cafonice, falar alto, gritar com a filha) ela tem o péssimo hábito de ficar com a porta do apartamento aberta!!! Acho que a cidadã não sabe morar em apartamento... me dá uma raiva!!! Custa fechar a porta, né?? Falta de noção!!

Ufa!! Desabafei!!
Beijos da sua fã de Ctba!!!

Roberta disse...

Vinicius, boa idéia! Adorei, vou adorar arriar um ebó na porta daquela uma.

Dona Mila, safada!
Cadê vc? Bora pra SP no feriado?Bora ser feliz em SP?

Paulinha, medo de que? Eu não faço nada, apenas odeio calma e civilizadamente.

Helga, já baixei vários pontos de macumba pro contra-ataque.

Gueto, onde se compra o set de oração?

Pri, bom senso é luxo para poucos, todo lugar tem gente mal educada.

Grazi, ela também fica com a porta aberta! E os remelentinhos dos filhos deixam os chinelos do lado de fora. Eu chuto pra escada quando passo!

Vinícius disse...

Roberta, você SÓ chuta os chinelos dos pirralhos pra escada?!!! Vamos melhorar o repertório de maldades... rs. Que tal cola? Pó de mico?! (imagina a coceira nos pés) Seria hilário... rs.

Helga disse...

Nada, esses meninos tem muito mais tempo livre que ela. ELes passariam o dia só pensando em maneiras piores de encher mais o saco ainda. E já sabemos que reclamar com a mãe deles de nada adianta.

Vinícius disse...

Eu, por outro lado, tenho uma vizinha desditosa que já fechou o portão da garagem no meu carro duas vezes... Uma me livrei, a outra foi prejú! E o pior, ela não tem carro para eu me vingar. rs.

Mas o melhor é que Deus é Pai. Outro dia um cara estava aqui na porta tocando e nada de atenderem. Ao sair para trabalher, perguntei quem era. Ele disse que queria falar com a tal vizinha. E mais, me disse que havia emprestado um dinheiro a ela (agiota, óbvio) e ela estava enrolando ele.

Neste momento,todas as risadas sarcásticas de desenhos animados, filmes, novelas, etc. surgiram em minha mente e, de súbito, abri a porta para ele, indiquei a porta dela e disse para ele esperar que ela sempre saía por volta das 11:00h.

Logo depois, ao sair para mais um dia de labuta, confesso que o dia parecia uma sexta-feira. rs.

Depois pensei... É, se a vontade de se vingar não vai até à vingança, esta vai até àquela... rs.

27/10/09 00:22

Feijãozinho Maligno disse...

Adorei a ideia do despacho.

Eugenia disse...

huuum, tenho um ponto lindo do Martinho da Vila, um pout-pourri de pontos de macumba, vou te mandar por e-mail. beijocas.

J Rodolpho disse...

Roberta, me lembra uma vez em que meus vizinhos insistiam em escutar musica sertaneja em alto volume, em um sonzinho meia boca. Depois de alguma insistencia verbal e nenhuma solução, apelei para o sonoro. Simplesmente coloquei as minhas caixas de som voltadas para a bendita casa, coloquei um disquinho de hard rock, que nem eu tinha paciencia de escutar, ultimo furo no amplificador e pronto. Depois de 1/2 hora de puro rock n'roll eles abaixaram e nunca + escutei a musica deles. Vivemos felizes por algum tempo. Bjao.

Helga disse...

J Rodolpho, meu irmão já está pra fazer isso aqui em casa. Nossos vizinhos insistem em ficar com um maldito pagode/funk/rap (de tudo um pouco) cedo no findi ou bem no meio da tarde (ou assim conta minha mãe). Irrita dum tanto. Solução, pro meu irmão, é rock na veia e no ouvido deles.

Coisa inconveniente são os sons dos carros. E gente sem noção geralmente tem péssimo gosto pra música.

Helga disse...

É o que eu repassei no meu post Vastas Minorias:

http://helgacomh.blogspot.com/2009/06/vastas-minorias.html

Fernanda disse...

minha vizinha faz faxina e deixa TODAS as cadeiras da casa no corredor... e ela tem dois cachorros bravos que avançam na porta dos outros aptos. minha faxineira uma vez levou quase MEIA HORA pra sair da minha casa, pq o cachorro maldito estava no corredor. de outra feita, o cachorro avançou na minha mãe e no meu filho mais velho, antes da infeliz puxar o dito cujo pela coleira. nem preciso dizer q por pouco não fui pra delegacia.

Talita disse...

huahuahuahuahuahauhua, na boa, não tenho nem o que comentar, só que quase mijei de tanto rir lendo esse post. Tá hilário!

Morgana disse...

Amei os pontos de macumba e os despachos. :)

Roberta disse...

Gente, como tem vizinha sem noção! Vamos fazer uma ação entre amigos e um mata o vizinho do outro. Pronto!

Silvinha disse...

Te compreendo perfeitamente. Minha vizinnha (meu quarto com a sala dela - pensa no desespero) tem praticamente os mesmos atributos q essa ai, pra ficar mais parecida basta somar um sotaque gaucho e 4 crianças (como ela consegue ter tanta gente vivendo naquele cubiculo eu não entendo, mas enfim...) berrando toda e qualquer hora.
Um Inferno!

Sisi disse...

chorei de rir lendo a parte das estratégias de vingança civilizada.
Ouvir pontos de macumba em último volume- ficou aqui arquivado!

Descobri o blog recentemente, junto com o HTP... parábens! Bjos