quinta-feira, 19 de novembro de 2009

A noite nunca tem fim...

Por que que a gente é assim?

Muuuuitos chopes depois (só paro de bebe quando acaba a cerveja e a companhia e com O Orientador nunca acaba a companhia e sempre vai haver outro bar aberto), pagamos a conta e fomos pra casa. Claro, abrimos uma garrafa de vinho e começamos a desfiar confissões inconfessáveis sobre coisas que nos são muito caras, questões vitais. Como sempre, terminamos abraçados, chorando, prometendo cuidar um do outro para sempre. Nos somo iguais, não temos filhos, só gatos. Precisamos nos cuidar. Somos família, a família que escolhemos. Eu nunca vou estar sozinha no mundo porque tenho meu O Orientador pra cuidar de mim.

Estamos vivendo um momento difícil e talvez tenhamos que tomar uma atitude muito dolorosa. Estamos avaliando.

Pois é, bebemos, falamos, rimos e choramos até depois das 4h da manhã. Eu tinha médico às 8h, pra depois correr pra repartição para mais um dia de trabalho. Sim, hoje eu estava uma ameba.

3 comentários:

Eugenia disse...

gato te dá carinho e nunca vai jogar isso na sua cara.

Roberta disse...

Sim, amiga. Por isso também fizemos a opção se sermos apenas 'mãe de gato' há muito tempo.

Fabrícia Romaniv disse...

Casa logo com ele!!!!