quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

"Último" dia de carnaval...

Ontem Vicente-vem-dar-o-cu-pra-gente passou aqui em casa e fomos almoçar. Encontramos Juliana e nos encaminhamos pro Gomes. Lo-ta-do, assim como tudo na Lapa, óbvio. Conseguimos uma mesa no Gargalo. Nunca tinha ido lá, confesso que tenho preconceito com galeterias, mas até que tinha ar condicionado e não foi ruim não. Quer dizer, foi uma merda, mas o atendimento estava uma merda em tudo quanto era lugar mesmo.

Bem perto tinha uma mesa com uns caras bem chatos, que gritavam o tempo todo. Pentelhos, tomara que a comida deles chegue logo pra calarem a boca. Quando olho bem pro grupo quem reconheço? Ah! Mas é aquele palhaço que no terceiro encontro me avisou que tinha namorada, que a corna tava viajando e voltava no dia seguinte, mas que não tinha problema nenhum, a gente podia continuar se vendo, só não ia dar pra ser assim... direto no fim de semana. Ah! E com a namorada ao lado! Ah! Na verdade, eu já tinha encontrado ele no Bola Preta, mas fingi que não vi. Desta vez não perdi a oportunidade e olhei sorridente. Poupei ele de um tchauzinho, porque também não sou tão má assim. Bom, pelo menos um chato da mesa se calou. Rá!

Depois do almoço, a proposta era seguir pro desfile da Orquestra Voadora no MAM. Avisei que ia passar em casa pra trocar a sandália e colocar apetrechos. Vicente veio resmungando o tempo todo. Caralho, ele consegue ser mais chato que eu! Deve ser por isso que somos melhores amigos há mais de 10 anos. O resto da gangue prosseguiu.

Olha, foi uma decisão muito sábia, apesar dos chutes na canela que Vic me deu. Quando chegamos lá o bloco já ia longe, na pista do Aterro, sob o sol. Ui! Que bom que perdi, porque eu não ia nem fodendo. Sentei na graminha com Cesar, Nanda e Paulinho. Não demorou pras meninas que tinham seguido o bloco ligarem que tavam arregando e voltando. Ficamos por ali bebendo cerveja morninha, fumando e papeando até começar a anoitecer e nem fomos presos por mijar na moitinha.


Quando escureceu e nos conformamos que a merda do bloco não ia voltar fomos pra Rio Branco ver o povo e seus costumes. Tinha concurso de Bate-bola e teve até tiro, mó fervo, sem falar na promoção de 3 latinhas de cerveja por R$ 5! Muito auspicioso.

***

Momento o mundo é estranho

1) Começam tiros. Uma horda de gente feia corre em nossa direção. Vicente corre no sentido contrário, pra onde tava rolando o bangue-bangue. Repórti é uma merda. Corri atrás dele, afinal, não ia deixar o puto se divertir sozinho.

2) Passam duas meninas pós-adolescentes negras, com poucas roupas brigando por um bebê. Chico vai lá e pergunta o que era.
- É o filho dela.
- Ai, posso ver?

***

Eu super tava a fim de me atracar com um salsichão, mas o povo cansou de ver gente feia e bêbada, então fomos pra Lapa, para outra proposta de gente feia e bêbada. Tava passando a Banda da Inválidos na Lavradio, mas uma vez por carnaval basta. Fomos pra Joaquim Silva. Tomei um caipifruta e finalmente fiquei bêbada como uma gambá, depois de tanta cerveja morna. Novo racha no grupo: a galera resolveu ir para a Cinelândia. Eu e Vicente resolvemos dar pinta no showzinho caído que tava rolando nos Arcos. Caímos de boca no salsichão e compramos mais cerveja tépida para esperar Dona Mila, que ligou avisando que tava chegando. Moça guerreira, vem de Niterói pra ver gente feia e beber cerveja quente no Rio. Isso que é foliã!

***

Decidimos que nossos pés já tinham acabado e sentamos no Boteco da Garrafa. Desce cerveja e pastel. Além de Mila e Namolito, juntou-se ao nosso animado grupo uma paulista amiga deles. Sei não, sei é que eu tava bêbada pra caralho. Lá pras 2h da manhã ardeu e fomos embora.

5 comentários:

Junião disse...

Hahaha cronograma intenso hein Roberta? Pena que quando a "desaventurada", a Mila e o Namolito me ligaram, ainda não estavam com você... Fiquei com um invejinha, queria estar no Rio também...

Roberta disse...

Junião, se soubesse tinha pedido pra ela te ligar pra eu gritar "Vem pro Rio!".

Anônimo disse...

Sempre mostrando o peitão gostoso , depois reclama que homem é tudo palhaço.

Roberta disse...

Anônimo, tu é chato e cafona com essa obcessão nos meus peitão, hein?

E vê se aprende: os peitão, tenho dois. Se vc elogia só um o outro fica com ciúme, já te disse.

Vicente disse...

Haha, ok, ok, eu tiro foto de nariz de palhaço, mas o indivíduo aí que não se identifica aparecer pra falar da peitama de Robertão merece a o adjetivo que minha amiga sempre atribui ao marmanjos.