terça-feira, 14 de julho de 2009

Contos de repartição

Outro dia passei no trabalho da minha irmã sei lá pra que e távamos conversando sobre como o serviço público desperta e aflora o que há de pior em cada um, vide a quantidade de maluco que circula por qualquer repartição. Ela comentou que na dela tem um cara que se esconde atrás da pilastra quando ela passa. "Não sei se ele tem medo de mim ou se eu devo ter medo dele". Nisso, terminamos o papo e me despedi. Quando távamos saindo do café dei uma tapa na bunda da bruta e disse "passa, periguete", porque ela é sempre meio lerda. Bingo, vinha saindo um cara de trás da pilastra no mesmo instante.

- Porra, Roberta. Ele é do meu setor, vai pensar que eu sou maluca.
- Não vai ser nenhuma novidade aqui, né irmã?

Engraçado com os colegas de repartição dela apreciam se esconder atrás de uma pilastra. Na minha a galera se mete no matagal. Outro dia fui cortar caminho por uma trilha porque tava atrasada pra uma reunião em outro prédio e dei de cara com um tiozinho falando sozinho no meio do mato. Como sempre digo, o mundo é estranho.

4 comentários:

Graciana disse...

Tiozinho em Manguinhos falando sozinho no meio do mato. Vou achar que ele virou cliente da vizinhança.

Anônimo disse...

Esse mundo está cheio de doidos!
Cuidado ao ficar andando no meio do mato. Vai acabar vendo um cadáver ou alguma coisa estranha.

bjs da M.I.

Helga disse...

Antes ver o cadáver do que ser o cadáver, já diria o sábio..

Anônimo disse...

Graci, ele interrompeu o "diálogo" para me dar bom dia. Era um tiozinho educado.

MI, tenho medo de cadáver não.

Helga, concordo.