sexta-feira, 21 de agosto de 2009

A incursão ao baile funk

Foi um domingo divertido. Tava um dia lindo que merecia ser celebrado na praia. Não arrumei companhia e fui sozinha. Detalhe: comi duas fatias de pão de forma com uma fatia de queijo e meia xícara de café e parti pra desfilar minha beleza morena e minhas celulites na praia de Ipanema. Tomei três caipirinhas e uma cerveja. Chegaram Madame J. e depois Nara já no fim da tarde. Fomos pro Devassa "almoçar". Comemos uma porção de croquete de carne e uma de linguiça na cachaça e bebemos váááárias loiras, isso foi o meu almoço.

Quando estou sóbria, evito comer carne, sou wannabe vegetariana. Quando tô bebada mando descer o torresminho. Aliás, quando tô bêbada faço várias coisas que não devia, algumas não publicáveis. Fumo, como carne, como doce, fritura e ainda acho gostoso... já que viver sóbria é ficção, acho que nunca vou conseguir ser realmente vegetariana. Mas voltando ao relato.

Cheguei em casa bebinha e com sono, pensei "vou dormir como um bebê". Toca o telefone, era Mademoiselle Lolita "Amiga, tá rolando um sambinha aqui em Santa...". Vou não, amiga, vou dormir. Mal desligo, toca de novo. Achei que era ela outra vez. Era um amigo que não via há algum tempo. "Meu primo me ligou que tá rolando um sambinha no Curvelo, vamos?". Concluí que dois amigos ligarem quase ao mesmo tempo pra chamar pro mesmo lugar era um sinal dos deuses, muito auspicioso.

- Acabei de chegar da praia, ainda nem tirei o biquini, mas passa aqui em 20 minutos.
- 20 minutos só se eu for de moto, tu tem medo de moto...
- Tinha, tenho mais não, pode vir.

Subi Santa de moto com o amigo, que confessou estar bebendo desde o meio-dia. Encontramos Mademoiselle Lolita no sambinha no Curvelo. Mais muitas cervejas. Meu amigo me obrigou a tomar um caldinho de feijão, foi meu jantar. Tudo ótimo, mas a doida Mademoiselle Lolita tinha comprado ingresso pro Cine Santa. Quando ela foi embora, resolvemos ver qual era a de um evento cubano no Largo dos Guimarães. Bailamos sei lá o que era aquilo que tocava e depois fomos pro sambinha do Simplesmente. Depois de um tempinho ardeu e meu amigo fez a proposta irrecusável "Aê, hoje tem baile funk no Emoções, na Rocinha. Bora?". Partiu.

O baile só começava 1h da manhã, demos um rolé de moto e depois paramos numa birosca pra tomar cerveja e observar o sobe e desce daquele mar de motos. Bebemos mais umas e depois descemos pro Emoções. E tome cerveja. Tenho flashes de estar dançando enlouquecida, não lembro muito bem. Não ficamos até o final porque eu tinha que apertar o aparelho na segunda de manhã.

Acordei às 6h da manhã, ainda bêbada, pra vomitar. Tinha dormido pelada por cima da colcha que forra a cama. Na verdade, lembro vagamente de quase cair quando desci da moto na minha porta. Vomitei, tomei banho e parti pro dentista sem tomar café. Enjoadaça, com aquele calor e aquela tremedeira/taquicardia de ressaca foda. Eu não sentia isso há muito tempo, foi muito bom. Passei o dia estragada, mas de ótimo humor. Foi um domingo excelente.

Quando cheguei do trabalho à noite minha casa tava uma mixórdia. O biquini do dia anterior ainda jogado no chão, a roupa da praia, a que saí à noite. Tive que chutar roupa pra andar sem pisar em nada. Arrumei tudo, mas não passei aspirador. O chão ficou cheio de areia uns três dias.

Ai, ai, ai. Como é bom viver.
Quero mais bailes funks, quero tudo.

3 comentários:

Eugenia disse...

whoooaaa!!! amei, gata!
vamos voltar lá qd vc estiver de férias, e poder dormir até meio-dia.
beijocas.
"eu preciso te falar...
te encontrar de qq jeito..."

Roberta disse...

Eugenia, tu tb topa baile funk?!

Helga disse...

Santo almoço esse. :)

HAhahah dois bêbos em cima duma moto.

Ê excessos..