quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Novas experiências

Algumas pessoas vão ficando mais sofisticadas com o tempo e a idade. Eu tô fazendo o caminho inverso: tô ficando cada dia mais tosca. Cada dia me importo menos ainda com menos coisas ainda. Sabe, frescura, hipocrisia, preconceito... tudo isso é penduricalho que pesa pra carregar pela vida. Vou largando tudo. Se bem que a essas nunca fui apegada, fui criada pra não esquentar a cabeça com merda pouca. Só que sabe como é, né? Alguma frescura, algum apego a gente sempre tem. Eu tô ficando terrível, sempre me imagino totalmente louca aos 60 anos. Tá, talvez minha reflexão esteja ficando mais sofisticada com a idade.

Mas bom, o negócio é o seguinte. Tava (como sempre) atrasada pra dentista, como sempre. O 409 até vai rapidinho, mas faltavam 10 minutos pra minha consulta. Não ia rolar. Pensei "puta merda, vou me fuder, não vai dar tempo". Tô virando a esquina em passo rápido quando olho a plaquinha do Moto Táxi. Procuro e nada. Esse puto nunca tá no ponto quando eu preciso. Hoje era um bom dia para experimentar seus serviços. Sabe como é, idéia de jerico não paga imposto, então liguei pro celular dele. "Tô descendo a André Cavalcanti, voltando pro ponto". A André Cavalcanti vai até lá em cima em Santa, mas como sou otimista, concluí que ele tava ali pertinho do Bar do Peixe, há menos de três quadras da minhas casa. "Quanto tu cobra pra me levar na Praça Saens Pena?". Acordo feito, avisei "beleza, te espero no ponto". O puto demorou 10 minutos. Quando chegou, cheio de sacolas, me entregou o capacete e disse pra eu esperar um minuto que ele ia guardar a tranqueira no carro. Ai, caralho.

Volta ele com um papelão. "Tu vai levar esse papelão?!". Ele pediu pra eu levar pra ele. Certas coisas só acontecem comigo. Coloquei, com certo nojinho, o capacete xexelento tentando não pensar em que cabeças já entraram ali e subi na merda da moto. O moto taxista também é meio xexelento e tava com uma mochilinha ensebada nas costas. Puta merda. Não adianta, nem que eu pegasse táxi não chegava, só de moto mesmo. Vambora. Lá fui eu, linda, loira, japonesa, de capacete ensebado e segurando um papelão. Ele explicou que era um molde que ele precisava mandar fazer. Não perguntei fazer o que, caguei.

Ele dobra por um lugar que não devia. "Tu vai por onde?". O puto tinha que parar pra botar gasolina. Ai, caralho! Tu é moto táxi e não tem gasolina? "É rapidinho". Avisei que tava atrasada e ele garantiu que eu ia chegar a tempo. Abastecidos, partimos. Claro que me arrependi antes da Praça da Bandeira. "Pode segurar em mim, gata. Tá com medo? Faço isso o dia todo, todos os dias". Eu sei, né Pedro-Bó, ou não estaria aqui.

Eu até tenho andado bastante de moto, mas as motos dos catiços com quem saio são motões enormes, dão uma sensação maior de segurança. A motinha de motoboy dele parecia pular mais. Claro, ele também era mais imprudente e avançada sinais e cortava os carros. Fomos xingados por uns dois taxistas. Quem mandou eu dizer que tava atrasada pra dentista, né?

Cheguei sã e salva, mas tão atrasada quanto se tivesse ido de ônibus e com a cabeça suada da porra do capacete. Tudo bem, foi engraçado. "Ó, é só me ligar que te levo até pra São Paulo". Ahã. Me aguarda, gato.

***

Fui no elevador tentando dar jeito no cabelo marafunhado durante a subida do térreo à cobertura. Como perdi meu horário, tive que esperar e, felizmente, o ar condicionado tava glacial e secou meu couro cabeludo. Quando entrei no consultório, a ortodontista me olhou com uma cara estranha. "Teu cabelo tá bonito, fez escova? Tá pesado". Sorri amarelo. Não ia dizer pra ela, que faz escova progressiva, que o segredo do meu cabelo lisão é sair de casa com ele ainda meio molhado, meter uma porra dum capacete ensebado e ir suando a cabeça da Lapa à Tijuca. "Fiz hidratação".

Na saída me analisei no espelho do elevador. Pior que meu cabelo tava ótemo mesmo.

4 comentários:

Mari disse...

Eu andei uma vez de moto táxi no Pantanal. Não gostei muito não, mas foi uma experiência interessante.

Quer dizer que o segredo de um cabelo bonito é suor com capacete e deixar secar no ar glacial? Compre um capacete para vc. Depois de sair da ginástica coloque o capacete. Deixe agir e depois ligue o ar no máximo até que o cabelo seque. Pronto! Agora vc terá cabelos maravilhosos sem gastar muito. :P

Agora estou pensando aqui em fazer alguma coisa no meu cabelo.

bjs

Jeh! disse...

Agora já sei o que fazer pra dar um jeito na juba, eita lelê! =)

Helga disse...

Entendeu que o negócio é ir de moto táxi pra próxima quebrada sambar, né? gangue das motos entregando moças pra requebrar.

Roberta disse...

Mari, mas tem que ser capacete ensebado. Vou perguntar ao moto táxi se quer me vender o capacete do carona. O problema é que não tenho ar condicionado em casa.

Falando sério, meu cabelo é lindo naturalmente, só que ficou no maior lisão, sem aqueles fiozinhos elétricos, sabe? Tipo escovado. kkkk


Jeh, manda ver no capacete ensebado!


Helga, nunca mais vou subir Santa de kombi, agora só no moto táxi!