terça-feira, 2 de março de 2010

Pouca sorte

Ontem, como a internet tava um cocô e meu telefone fixo tava mudo, resolvi ler o livro que ganhei de presente. Quando abri caiu um chumaço de páginas. Putaquepariu. E agora, José? Leio as páginas soltas e guardo o livro na estante ou levanto minha bunda e vou até a Livraria da Travessa trocar o caralho do livro?

A merda é que a livraria fica na Rua Sete de Setembro. O que é que tem mais na Sete de Setembro? Pois é, o Shópi Vertical. Aí que mora o perigo. Se eu entro for lá não vou resistir. Vou dar mais uns passinhos e me jogar no meu templo de consumo. Vou entrar na Maria Filó e na Farm, vou ver a coleção nova e vou me endividar. Se bobear, ainda passo na Sollas e na Via Mia pra uns sapatinhos novos.

Horror, horror, horror. Não posso. Estou previamente falida pelos próximos 18 meses. Não posso comprar nem mariola. Ai, é muito dura essa vida de mulher alijada da cadeia de consumo. E o consumo como lazer, como estilo de vida, como fica? Como eu fico sem sapatinho novo?!

3 comentários:

Carmen disse...

Roberta, deixa de ser chorona...vc tem um coleção enorrrrrrme de sapatos, vestidos e afins; fora que a suposta dureza é por um motivo nobríssimo!
Pior sou eu que tenho q me controlar por conta de alguel, ainda rezando pra contar com ajuda de mamy e pápi...rsrsrs

Roberta disse...

Carmen, e desde quando mulher acha que tem sapato, vestido, bolsa e maquiagem suficiente.

Como sempre digo, não preciso de nada, mas quero tudo, oras.

Ó, por exemplo, ajuda de mamy e pápi não tenho nem nunca tive. Viu como luxenta é tu?

Carmen disse...

Rsrsrsrs, é, concordo com tudo dito acima...rsrsrsrs