terça-feira, 12 de julho de 2011

Diagnóstico

Hoje de manhã fui na minha médica favorita, aquela que é meio biruta, meio bruxa, me conhece há mais de 20 anos e me medica pra tudo. Depois de olhar meus exames e ouvir t-u-d-i-n-h-o que me incomoda ela sentenciou: isso é depressão clássica. Não me importa nenhum dos outros problemas, ela que me preocupa, que precisamos combater, ela é a causa de tudo.

Pediu exames, indicou outros especialistas e escreveu quilos de receitas, de remédios e poções a conselhos sobre as cores e roupas que devo vestir.

Adoro.

5 comentários:

Fernando disse...

Um médico me receitou o melhor remédio até hoje depois de uma consulta. Me recomendou pedir demissão do emprego, não acordar cedo, não fazer coisas contra a vontade e ter hábitos alimentares corretos. Funcionou.

Natália disse...

A depressão é algo que vem devagar e toma conta da gente, mas como tudo que vem uma hora vai, a depressão também vai embora aos poucos e através de tratamento, aí você entende que dói mas passa. É só ter paciência com você mesma e se respeitar. Respeite todos os seus limites... Permita-se!

Beijos

Eugenia disse...

adorei os conselhos do médico do Fernando!

Fernanda disse...

Li uma definição muito interessante no livro da jornalista Marina W (Diário de uma bipolar) que diz que sair da depressão é como encher um tanque de carro com um conta-gotas. Demora, mas com certeza você consegue.
Fico feliz que você tenha um diagnóstico. Já é um primeiro passo. Boa sorte no tratamento e respeite suas vontades!

Roberta disse...

Fernando, sim, a Marcia sempre me receita ser feliz. O negócio é que não vende na farmácia. Até vende, mas tem que ter receita e não é a mesma coisa.

Hábitos alimentares corretos já tenho. Grande parte da minha infelicidade é justamente por fazer coisas que não quero, como acordar cedo e trabalhar num lugar que não gosto.

Natália, sim, querida. Já passei por isso outras vezes e sei que passa, só que é chato esperar passar.

Eugenia, num é?